Procurador-geral de Justiça de São Paulo cria força-tarefa para investigar caso Prevent Senior

Mário Luiz Sarrubbo, chefe do Ministério Público do Estado, escala quatro promotores no inquérito do Departamento de Homicídios que apura se operadora de planos de saúde aplicou medicamentos sem eficácia comprovada em pacientes que pegaram covid-19

Rayssa Motta e Fausto Macedo

Atualizamos nossa política de cookies

Ao utilizar nossos serviços, você aceita a política de monitoramento de cookies.

Fachada de unidade da Prevent Senior em São Paulo. Foto: Daniel Teixeira/Estadão

O procurador-geral da Justiça de São Paulo, Mário Sarrubbo, designou nesta quinta-feira, 23, quatro promotores para compor a força-tarefa que vai investigar se a Prevent Senior tratou pacientes, sem o seu consentimento, com o chamado ‘kit-covid’.

As suspeitas que recaem sobre a pesquisa supostamente desenvolvida pela operadora de planos de saúde em São Paulo, com hidroxicloroquina e invermectina, vieram a público a partir da CPI da Covid no Senado.

Além de escalar os promotores Everton Zanella, Fernando Pereira, Nelson dos Santos Pereira Júnior e Neudival Mascarenhas Filho para trabalhar em conjunto com o promotor natural, Rodolfo Bruno Palazzi, o chefe do Ministério Público de São Paulo também determinou ‘atenção total’ à investigação.

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE

O inquérito policial tramita no Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) e apura se a aplicação de remédios sem eficácia comprovada contra a covid-19 em pacientes da Prevent Senior que vieram a óbito configura crime de homicídio. A operadora também é suspeita de ocultar mortes de pessoas que teriam participado do estudo e de pressionar médicos a adotarem o ‘tratamento precoce’.

O Estadão apurou que, entre os próximos passos da investigação, está prevista a análise de documentos que a comissão parlamentar se comprometeu a compartilhar com o Ministério Público de São Paulo. Entre os documentos que compõem o dossiê em posse dos senadores estão denúncias de médicos da Prevent Senior.

Fachada de unidade da Prevent Senior em São Paulo. Foto: Daniel Teixeira/Estadão

O procurador-geral da Justiça de São Paulo, Mário Sarrubbo, designou nesta quinta-feira, 23, quatro promotores para compor a força-tarefa que vai investigar se a Prevent Senior tratou pacientes, sem o seu consentimento, com o chamado ‘kit-covid’.

As suspeitas que recaem sobre a pesquisa supostamente desenvolvida pela operadora de planos de saúde em São Paulo, com hidroxicloroquina e invermectina, vieram a público a partir da CPI da Covid no Senado.

Além de escalar os promotores Everton Zanella, Fernando Pereira, Nelson dos Santos Pereira Júnior e Neudival Mascarenhas Filho para trabalhar em conjunto com o promotor natural, Rodolfo Bruno Palazzi, o chefe do Ministério Público de São Paulo também determinou ‘atenção total’ à investigação.

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE

O inquérito policial tramita no Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) e apura se a aplicação de remédios sem eficácia comprovada contra a covid-19 em pacientes da Prevent Senior que vieram a óbito configura crime de homicídio. A operadora também é suspeita de ocultar mortes de pessoas que teriam participado do estudo e de pressionar médicos a adotarem o ‘tratamento precoce’.

O Estadão apurou que, entre os próximos passos da investigação, está prevista a análise de documentos que a comissão parlamentar se comprometeu a compartilhar com o Ministério Público de São Paulo. Entre os documentos que compõem o dossiê em posse dos senadores estão denúncias de médicos da Prevent Senior.

Tudo o que sabemos sobre:

Encontrou algum erro? Entre em contato