Prisão temporária de hackers será prorrogada, dizem advogados

Prisão temporária de hackers será prorrogada, dizem advogados

Patrik Camporez /BRASÍLIA

26 de julho de 2019 | 18h03

Advogados dos quatro suspeitos de terem invadido celulares de pelo menos 1.000 pessoas, entre as quais o presidente Jair Bolsonaro, já teriam sido comunicados pela Polícia Federal que, entre hoje e amanhã, será expedido a prorrogação da prisão temporária de todos os presos. Ainda nesta sexta, 26, o juiz da 10ª Vara Federal de Brasília, Vallisney de Oliveira, deve tomar uma decisão sobre o caso.

A avaliação da PF, após ouvir os quatro presos, é de que se trata de um grupo “extremamente preparado e perigoso e que ainda não se esgotaram todas as suspeitas que ainda precisam ser sanadas pela PF”, segundo avaliação doa investigadores.

O inquérito é mantido em sigilo e está sendo conduzido pelo delegado Luiz Flávio Zampronha, que, em 2005 e 2006, presidiu o inquérito do mensalão.

Na tarde desta sexta-feira, o advogado Ariovaldo Moreira, que defende dois dos presos, admitiu que não conseguirá soltar seus clientes e que vai entrar com pedido de revogação da prisão.

Ariovaldo é advogado do DJ Gustavo Henrique Elias Santos e da sua mulher,Suelen Priscila Oliveira.  Além deles, foram presos Walter Delgatti Neto e Danilo Marques.

“Estou convicto da inocência dos meus clientes e que eles não se envolveram nessa empreitada criminosa” disse o advogado.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.