‘Prisão de Zé Dirceu é uma injustiça’, diz defesa

‘Prisão de Zé Dirceu é uma injustiça’, diz defesa

Advogado Roberto Podval afirma que prisão preventiva do ex-ministro do governo Lula 'é desnecessária' e anuncia que vai recorrer

Redação

03 de agosto de 2015 | 18h34

Roberto Podval. Foto: Tiago Queiroz/AE

Roberto Podval. Foto: Tiago Queiroz/AE

Por Ricardo Brandt, enviado especial a Curitiba, Julia Affonso e Fausto Macedo

O criminalista Roberto Podval, que defende José Dirceu, considera ‘desnecessária’ a prisão preventiva do ex-ministro-chefe da Casa Civil (Governo Lula). Para Podval, o ex-ministro é alvo de ‘uma injustiça, não resta a menor dúvida’. O advogado anunciou que vai recorrer do decreto de prisão ordenado pelo juiz federal Sérgio Moro.

A tese de Podval no recurso para tentar derrubar a ordem de prisão contra o ex-ministro é que os requisitos legais para tal medida não estão presentes no caso. “Não há risco de fuga porque Zé Dirceu cumpre prisão domicilar em Brasília (como réu do Mensalão), ele não está atrapalhando as investigações (da Lava Jato), não está destruindo provas”, pontua o criminalista.

Sobre a sucessão de pagamentos mensais em favor da JD Assessoria e Consultoria, do ex-ministro, que se prolongaram por dez anos, somando R$ 21,3 milhões, Roberto Podval afirma que foi a própria defesa que comunicou à Justiça Federal os dados da movimentação financeira da empresa do ex-ministro.

“Todos esses pagamentos foram comunicados pela defesa, nós informamos, não há novidade”, disse o advogado. “Esses elementos foram informados por nós.”

Podval disse que José Dirceu está ‘aguardando tranquilo, na medida do possível, os desdobramentos’.

Empresa de Dirceu era recebedora de pixuleco, aponta Lava Jato

Para investigadores, ex-ministro buscou enriquecimento pessoal

Tudo o que sabemos sobre:

José Dirceuoperação Lava Jato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.