Prisão de Temer é ‘despropósito’, diz MDB

Prisão de Temer é ‘despropósito’, diz MDB

O Movimento Democrático Brasileiro, que já foi presidido três vezes por Temer, diz 'acreditar na Justiça brasileira' e 'esperar contenção de excessos'

Pepita Ortega

10 de maio de 2019 | 10h22

Michel Temer é preso novamente. Foto: Tiago Queiroz / Estadão

LEIA TAMBÉM >Temer se entrega

O Movimento Democrático Brasileiro, partido de Michel Temer, se pronunciou sobre a nova prisão do ex-presidente, que se entregou na superintendência da Polícia Federal em São Paulo nesta quinta, 9. Para o MDB, a detenção de Temer, ‘sob argumento de que ele representa um perigo à ordem pública’, é um ‘despropósito’.

Em nota publicada no site do Partido, o MDB diz ainda que ‘continua acreditando na justiça brasileira e espera que os excessos sejam contidos e que a verdade prevaleça no andamento das investigações’.

Nota oficial do MDB sobre nova prisão de Temer. Foto: Reprodução / Site do MDB

O partido já foi presidido por Temer em três ocasiões: entre setembro de 2001 e março de 2009, quando era deputado; entre janeiro e junho de 2010, também quando fazia parte da Câmara Federal; e entre janeiro de 2014 e abril de 2016, quando era vice-presidente da República. Hoje o líder nacional do MDB é o ex-senador Romero Jucá.

Na tarde desta quinta-feira, 9, o ex-presidente e o coronel João Baptista Lima Filho se entregaram na superintendência da Polícia Federal em São Paulo, para o cumprimento da prisão preventiva no âmbito da Operação Descontaminação, braço da Lava Jato no Rio.

A defesa do ex-presidente apresentou, também na tarde desta quinta, um pedido de habeas corpus no Superior Tribunal de Justiça. O processo foi encaminhado para o ministro Antonio Saldanha, que deve avaliar o pedido de Temer na próxima terça, 14.

No documento, os advogados do ex-presidente afirmam que “Michel Temer, sobretudo, é um pai de família honrado, que não merece, aos 78 anos de vida, ver-se submetido ao cárcere”. O texto destaca que Temer ‘nunca integrou organização criminosa nem praticou outras modalidades de crime, muito menos constitui ameaça à ordem pública’ e que a prisão preventiva do ex-presidente foi decretada ‘sem que se indicasse nenhum elemento concreto a justificá-la’.

A liminar que havia suspendido a prisão preventiva de Temer e Lima foi revogada nesta terça, 8, pela 1ª da turma de desembargadores do TRF-2 no Rio. No julgamento, foram analisados a liminar concedida por Athié em março e o pedido, feito pelo Ministério Público Federal, para que a prisão fosse restabelecida.

Tendências: