Primeira Turma decide mandar investigação contra Onyx por caixa 2 para Justiça Eleitoral do RS

Primeira Turma decide mandar investigação contra Onyx por caixa 2 para Justiça Eleitoral do RS

Em julgamento finalizado na noite desta segunda, 17, ministros negaram recurso para que a investigação permanecesse na Suprema Corte, em razão da perda de foro privilegiado de Onyx; já havia maioria para enviar o caso para a 1ª instânia desde o início da tarde, como mostrou o Estadão

Redação

18 de agosto de 2020 | 14h12

Onyx Lorenzoni. Foto: Dida Sampaio/Estadão

A Primeira Turma do Supremo Tribunal Federal decidiu, por unanimidade, enviar a investigação de caixa 2 contra o ministro Onyx Lorenzoni (Cidadania) para a Justiça Eleitoral do Rio Grande do Sul. Julgamento virtual do caso terminou nesta segunda, 17, tendo os ministros negado recurso para que a investigação permanecesse na Suprema Corte, em razão da perda de foro privilegiado de Onyx. Como mostrou o Estadão, desde o início da tarde de ontem já havia maioria para enviar o caso para a 1ª instância.

Com isso, como sinalizado por Marco Aurélio ao repórter Rafael Moraes Moura, o acordo de não persecução-penal que o ministro da Cidadania fechou com a Procuradoria-Geral da República deve ser enviado para homologação no juízo eleitoral do Rio Grande do Sul. O acordo também deverá passar pelo crivo da promotoria eleitoral.

O julgamento previsto para terminar no próximo dia 17 trata de um recurso impetrado por Onyx contra decisão proferida por Marco Aurélio em fevereiro, no sentido de encaminhar para a Justiça Eleitoral do Rio Grande do Sul a investigação de crime de caixa 2 supostamente cometido à época em que o atual ministro da Cidadania era deputado federal.

Em seu voto, Marco Aurélio reforçou os argumentos que embasaram sua decisão monocrática, apontando que o caso não se enquadra no novo entendimento do Supremo sobre o alcance do foro privilegiado.

“Reitero o que sempre sustentei: a competência do Tribunal é de Direito estrito, está delimitada, de forma exaustiva, na Constituição Federal. As regras respectivas não podem merecer interpretação ampliativa. A Lei Maior, ao prever cumprir ao Supremo julgar Deputados e Senadores, há de ter abrangência definida pela conduta criminosa: no exercício do mandato e ligada, de algum modo, a este último”, afirmou o ministro.

A análise do recurso de Onyx chegou ao centro das atenções após Onyx fechar acordo de não persecução penal com a PGR confessando ter recebido R$ 300 mil em doações não contabilizadas do grupo que controla a empresa JBS – R$ 100 mil nas eleições de 2012 e R$ 200 mil em 2014 – e se comprometendo a pagar multa de R$ 189,1 em troca do encerramento da investigação.

O texto foi encaminhado para o ministro Marco Aurélio Mello que sinalizou que aguardaria o julgamento do recurso de Onyx para poder analisar o pedido. O ministro do STF entendeu que a avaliação do caso ‘pressupõe atuação de órgão judicante competente’. Assim, se os ministros da Suprema Corte entenderem que o caso deve tramitar na Justiça Eleitoral do Rio Grande do Sul, o acordo deve ser homologado por lá.

Juristas ouvidos pelo Estadão avaliam que o acordo de Onyx precedente específico para casos similares e mostra o peso da avaliação do Ministério Público Federal. Tanto o valor a ser pago pelo político como até mesmo a viabilidade do acordo, considerando diferentes aspectos do crime, dependem da ‘cautela’ do Ministério Público Federal, sendo que contextos ‘mais complexos’ não cabem no dispositivo.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: