PRF prende miliciano suspeito do assassinato de agente federal no Rio

PRF prende miliciano suspeito do assassinato de agente federal no Rio

Leandro Pereira da Silva, preso na Rodovia Presidente Dutra, comanda a milícia nas comunidades de Antares e do Rola, na Zona Oeste, onde Ronaldo Heerem foi assassinado em serviço na quinta, 13

Pedro Prata

15 de fevereiro de 2020 | 14h58

A Polícia Rodoviária Federal prendeu na madrugada deste sábado, 15, Leandro pereira da Silva, o ‘Léo do Rodo’, um dos líderes da milícia ‘Bonde do Ecko’ nas comunidades do Rola e Antares, em Santa Cruz, na Zona Oeste do Rio. Ele é suspeito de envolvimento na morte do policial federal Ronaldo Heerem na tarde de quinta, 13.

Por volta das 4h, policiais rodoviários federais abordaram o veículo no qual ele estava com outro homem e duas mulheres na Rodovia Presidente Dutra (BR-116), em São João de Meriti, na Baixada Fluminense.

Os policiais encontraram duas pistolas calibre .40, carregadores e uma granada dentro do veículo.

Um deles era foragido da Justiça. Ele estaria fugindo de Santa Cruz, pois é suspeito de envolvimento na morte de Ronaldo Heerem.

Ele era um dos chefes da milícia ‘Bonde do Ecko’, conhecida por atuar na região com violência para exigir o pagamento de taxas de moradores e comerciantes.

Eles exploram a venda de botijões de gás, água mineral, centrais clandestinas de TV, transporte alternativo, grilagem de terras, comercialização de lotes, além da exploração de caça-níqueis.

Granada, pistolas e carregadores foram encontrados dentro do veículo. Foto: Divulgação

A ocorrência foi encaminhada à Polícia Federal.

Herren está sendo sepultado às 14h deste sábado, 15, no Cemitério São Francisco Xavier, em Niterói.

COM A PALAVRA, O MINISTRO SÉRGIO MORO

No Twitter, o ministro Sérgio Moro (Justiça e Segurança Pública) chamou Ronaldo Heerem de ‘herói’ e disse que ele ‘foi assassinado em serviço contra o crime organizado’.

“Confiamos que a PF  identificará os responsáveis e os levará à Justiça. Inestimável apoio da PRF no caso.”

Foto: Twitter/@SF_Moro/Reprodução

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.