PRF acha 326 quilos de cocaína e US$ 300 mil em fundo falso de caminhonete na Régis

PRF acha 326 quilos de cocaína e US$ 300 mil em fundo falso de caminhonete na Régis

Durante abordagem na BR-116, região metropolitana de Curitiba, motorista de 35 anos ficou nervoso e passou mal, o que provocou desconfiança dos policiais rodoviários federais

Pedro Prata

05 de setembro de 2019 | 15h07

A Polícia Rodoviária Federal apreendeu 326,2 quilos de cloridrato de cocaína e US$ 300 mil na manhã desta quinta, 5, na BR-116 em Campina Grande do Sul, região metropolitana de Curitiba.

A droga e o dinheiro estavam em um compartimento oculto, sob o assoalho de uma caminhonete. O motorista, de 35 anos, foi preso em flagrante.

Droga estava escondida em caminhonete. Foto: PRF/Divulgação

A abordagem ocorreu por volta de 8h15, em frente à Unidade Operacional Taquari, na Rodovia Régis Bittencourt.

Além da cocaína, acondicionada em 298 tabletes, os agentes da PRF também apreenderam dois pacotes de dólares.

A PRF também encontrou dois pacotes contendo US$ 300 mil. Foto: PRF/Divulgação

Segundo a Polícia Rodoviária Federal, ‘nervoso, o motorista da caminhonete começou a se sentir mal logo no início da abordagem policial’.

Ele apresentou a carteira de habilitação do irmão como se fosse sua.

O comportamento do motorista fez a equipe da PRF promover uma busca detalhada no veículo.

Droga estava acondicionada em 298 tabletes. Foto: PRF/Divulgação

Dentro da cabine da caminhonete foi encontrada uma pequena porção de maconha.

Na carroceria, os policiais rodoviários federais descobriam um compartimento oculto, no formato de uma gaveta, entre as longarinas do chassi do veículo.

O compartimento, onde estavam os tabletes de cocaína e o dinheiro, foi acessado com o apoio de um desencarcerador hidráulico.

O preso disse que saiu de São Paulo e que entregaria o veículo em Paranaguá (PR). Ele responderá pelos crimes de tráfico de drogas, uso de identidade alheia e porte de droga para consumo pessoal.

A PRF encaminhou a ocorrência para a Superintendência da Polícia Federal em Curitiba.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.