Presidentes de empreiteiras têm R$ 5,8 mi bloqueados

Presidentes de empreiteiras têm R$ 5,8 mi bloqueados

Montante congelado de Marcelo Odebrecht e Otávio Azevedo, da Andrade Gutierrez, somado ao de outros alvos da 14ª fase da Lava Jato chegou a R$ 20.756.715,55; balanço comunicado à Justiça pela rede bancária é parcial

Redação

02 de julho de 2015 | 16h29

Os presidentes da Odebrecht e da Andrade Gutierrez, Marcelo Odebrecht e Otávio Azevedo, respectivamente, foram presos na nova fase da Lava Jato. Foto: Reuters e Estadão

Os presidentes da Odebrecht e da Andrade Gutierrez, Marcelo Odebrecht e Otávio Azevedo, respectivamente, foram presos na 14ª fase da Lava Jato. Foto: Reuters e Estadão

Por Julia Affonso e Ricardo Brandt, enviado especial a Curitiba, e Fausto Macedo

Os presidentes das duas maiores empreiteiras do Brasil tiveram bloqueados R$ 5.840.973,01, por determinação do juiz Sérgio Moro, que conduz as ações penais da Operação Lava Jato. De Marcelo Odebrecht, da Odebrecht, foram bloqueados R$ 4.572.679,03 e de Otávio Marques de Azevedo, da Andrade Gutierrez, R$ 1.268.293,98. Os dois estão presos desde 19 de junho quando foi deflagrada a 14ª fase da Lava Jato, denominada Erga Omnes.

O rastreamento do dinheiro dos empreiteiros e de outros investigados está sendo executado pelo Banco Central, via Sistema Bacenjud – instrumento de comunicação eletrônica entre o Poder Judiciário e as instituições financeiras bancárias que mapeia contas sob suspeita.

Os valores congelados são deslocados para uma conta judicial onde ficam sob custódia até a sentença. Ao final do processo, o dinheiro pode ser revertido em favor da União ou devolvido ao suspeito.

O saldo tornado indisponível é parcial. A busca por mais valores prossegue.

O bloqueio ordenado por Moro alcançou, além de Odebrecht e Otávio Azevedo, os diretores Rogério Santos de Araújo, Mário Faria da Silva, César Ramos Rocha, da Odebrechet; os executivos Elton Negrão de Azevedo Júnior os ex-executivos da Andrade Gutierrez Antônio Pedro Campelo de Souza e Paulo Roberto Dalmazzo; o empresário João Antônio Bernardi Filho, que integrava o quadro social da Hayley do Brasil, e o funcionário da Petrobrás Celso Araripe de Oliveira. O montante bloqueado de todos os executivos chegou, por enquanto, a R$ 20.756.715,55.

No despacho que determinou as prisões, Moro havia determinado o bloqueio de até R$ 20 milhões de cada um dos alvos da Erga Omnes. O sequestro de ativos mantidos nas contas correntes dos executivos havia sido pedido pelo Ministério Público Federal.

A Odebrecht informou que não vai comentar. A Andrade Gutierrez não respondeu ao contato feito pela reportagem.

Tudo o que sabemos sobre:

operação Lava Jato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.