Presidentes da Odebrecht e Andrade Gutierrez são levados para presídio

Presidentes da Odebrecht e Andrade Gutierrez são levados para presídio

Oito executivos das duas maiores construtoras do País foram transferidos na manhã deste sábado, da carceragem da PF, em Curitiba, para complexo penal do Estado, por determinação da Justiça

Redação

25 de julho de 2015 | 11h31

Marcelo Odebrecht e outros executivos foram transferidos para o Complexo Médico-Penal. Foto: Félix R/Futura Press

Marcelo Odebrecht e outros executivos foram transferidos para o Complexo Médico-Penal. Foto: Félix R/Futura Press

Por Ricardo Brandt, enviado especial a Curitiba, Fausto Macedo e Julia Affonso

Os oito presos da 14ª fase da Operação Lava Jato, entre eles os presidentes das construtoras Odebrecht, Marcelo Bahia Odebrecht, e Andrade Gutierrez, Otávio Marques de Azevedo, foram transferidos na manhã deste sábado 25, por volta das 10h, para o Complexo Médico-Penal, em Pinhais, região metropolitana de Curitiba.

O juiz federal Sérgio Moro, que conduz os processos da Lava Jato, determinou a transferência atendendo pedido da Polícia Federal. O pedido de transferência dos 8 presos da Operação Erga Omnes, como foi batizada a 14ª fase da Lava jato, seria porque o espaço da custódia da superintendência da PF, em Curitiba, é pequeno.
No Complexo, para onde foram levados os executivos na manhã deste sábado, não há chuveiro individual, ou seja, o banho é coletivo. E o vaso sanitário é o chamado ‘boi’, um buraco no chão – o preso tem de ficar de cócoras, sentado sobre os calcanhares.
cela-transferencia-1000
As celas do presídio são “no mínimo 80% maiores” que as mais amplas celas da Superintendência da PF na capital paranaense. As visitas podem ser realizadas às sexta feiras, “no período vespertino, no pátio do complexo”.
O juiz Sérgio Moro concordou com os argumentos do delegado federal Igor Romário de Paula, que “a carceragem da Polícia Federal, apesar de suas relativas boas condições, não comporta, por seu espaço reduzido, a manutenção de número significativo de presos”.”Por outro lado, a ala específica do Complexo Médico Penal disponibilizada pela Secretaria de Segurança Pública do Paraná é local adequado para a acomodação dos presos no sistema prisional estadual, talvez até com melhores condições do que as da carceragem da Polícia Federal.”
Marcelo Odebrecht e Otávio Marques de Azevedo estão presos desde 19 de junho. Nesta sexta-feira, todos foram denunciados formalmente pelo Ministério Público Federal.
Seus advogados afirmam que eles não têm envolvimento com o esquema de corrupção instalado na Petrobrás.
O Complexo Médico-Penal já abriga outros investigados e réus da operação, como o ex-diretor de Serviços Renato Duque, o lobista e operador de propinas do PMDB Fernando Antonio Falcão Soares, o Fernando Baiano, e os ex-deputados André Vargas (ex-PT, hoje sem partido) e Pedro Corrêa (ex-PP).

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.