Presidente e executivos da Odebrecht ficarão calados em CPI

Presidente e executivos da Odebrecht ficarão calados em CPI

Comissão inicia interrogatório no segundo dia em Curitiba, sede da Lava Jato

Redação

01 de setembro de 2015 | 10h04

CPI começa segundo dia de depoimentos. Foto: Ricardo Brandt/Estadão

CPI começa segundo dia de depoimentos. Foto: Ricardo Brandt/Estadão

Atualizada às 11h02

Por Ricardo Brandt, enviado especial a Curitiba

A CPI da Petrobrás começou a ouvir na manhã desta terça-feira, 1, os depoimentos dos executivos da construtora Norberto Odebrecht, presos em Curitiba pela Operação Lava Jato, entre eles o presidente da empreiteira, Marcelo Bahia Odebrecht.

O primeiro a ser ouvido é o executivo César Rocha Ramos. Em seguida, foi a vez de Rogério Araújo.

Dirceu se cala na CPI da Petrobrás

Esse é o segundo dia de depoimentos de réus presos da Lava Jato pela CPI em Curitiba – sede das apurações. Depois da abertura da CPI, pelo presidente da comissão, Hugo Motta (PMDB-PB), o interrogado informou que permaneceria calado.

O presidente da CPI leu documento enviado pelo ministro Teori Zavaski, do Supremo Tribunal Federal, dando direito dos cinco interrogados da Odebrecht a permanecerem calados.

A medida vale também para o ex-gerente da Petrobrás Celso Araripe, sexto convocado da CPI desta terça-feira.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.