Presidente é alvo de ‘devassa’, afirma Mariz

Presidente é alvo de ‘devassa’, afirma Mariz

Advogado critica autorização para quebra do sigilo bancário de Temer no inquérito que apura irregularidades no chamado Decreto dos Portos

Eduardo Kattah

06 de março de 2018 | 22h04

Antônio Claudio Mariz de Oliveira. FOTO: FELIPE RAU/ESTADÃO

O advogado Antônio Claudio Mariz de Oliveira, que representa Michel Temer, afirmou nesta terça-feira, 6, que o presidente está sendo alvo de uma “devassa” em sua vida. Mariz criticou a autorização para a quebra do sigilo bancário de Temer no inquérito que apura irregularidades no chamado Decreto dos Portos e a inclusão do emedebista na investigação sobre repasses da Odebrecht para campanhas do partido.

+ Barroso aponta que defesa de Temer teve acesso a dados sigilosos de investigação

Segundo o advogado, as decisões dos ministros do Supremo Tribunal Federal Luís Roberto Barroso e Edson Fachin afrontam a Constituição porque Temer não poderia ser “responsabilizado” por atos anteriores ao mandato.

+ Temer tem ‘amplas condições’ de mostrar inocência em inquérito dos portos, defende Jungmann

“Está havendo uma verdadeira devassa na vida do presidente da República, cujos objetivos e causas são desconhecidos. Por que está se fazendo isso com Michel Temer?”, afirmou Mariz ao Estado. “Os fatos concretos quando surgem estão sendo contestados, duas denúncias já foram suspensas, o seu andamento, porque a Câmara não deu autorização e, no entanto, se continua a fustigar, a praticar uma verdadeira devassa contra ele.”

+ ‘Temer decidiu não recorrer’, diz Marun sobre a quebra de sigilo do presidente

Para o advogado, Barroso autorizou a quebra do sigilo em “um inquérito que praticamente perdeu seu objeto”. “Ficou demonstrado já documentalmente, e o ministro Barroso tem conhecimento disso, que a Rodrimar (empresa alvo da investigação) não foi beneficiada pelo decreto de 2017. Isso está documentado nos autos. O objeto do inquérito era exatamente apurar eventual favorecimento do presidente em relação a esta empresa e esta empresa não foi favorecida.”

Mariz reiterou a informação da Presidência de que será dado acesso à imprensa dos extratos das contas bancárias de Temer. “Nem precisaria afirmar isso, porque isso vai aos autos e creio que o relator permitirá que a imprensa tenha amplo acesso a isso”, disse. “O presidente da República não se opõe a essa exibição, apenas está estupefato, estarrecido, com as agressões que se praticam contra a própria Constituição, querendo por toda lei, a toda a força, inclui-lo em novos inquéritos.”

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.