Presidente do TRF-4 diz que pré-candidatura de Lula não é ‘fato novo’

Desembargador plantonista acatou alegação de deputados do PT que pediram liberdade para ex-presidente na noite de sexta-feira

Redação

08 de julho de 2018 | 20h48

Lula chega à sede da PF em Curitiba, no sábado, 7. FOTO: ALEX SILVA/ESTADÃO

O presidente do TRF-4, Carlos Eduardo Thompson, afirmou que o pedido de liberdade feito por três deputados do PT que fez o desembargador Rogério Favreto, que estava no plantão do final de semana do tribunal, determinar neste domingo, 8, em caráter liminar a soltura de Luiz Inácio Lula da Silva – medida cancelada no final do dia – não difere dos demais pedidos e que a pré-candidatura do petista não pode ser considerado um fato novo.

“Os fundamentos que embasam o pedido de Habeas Corpus n. 5025614-40.2018.4.04.0000/PR não diferem daqueles já submetidos e efetivamente analisados pelo Órgão Jurisdicional Natural da lide”, afirmou Thompson, em despacho atendendo pedido do Ministério Público Federal para que o habeas corpus de soltura de Lula fosse enviado para o relator da Lava Jato, no TRF-4, João Pedro Gebran Neto – que já havia determinado no meio da tarde sua competência para o caso e o cancelamento da ordem do plantonista.

Documento

“Rigorosamente, a notícia da pré-candidatura eleitoral do paciente é fato público/notório do qual já se tinha notícia por ocasião do julgamento da lide pela 8ª Turma desta Corte.”

O pedido de habeas corpus que fez com que o plantonista mandasse soltar Lula neste domingo foi apresentado na sexta-feira, por volta das 19h30, pelos deputados Wadih Damous, Paulo Pimenta e Paulo Teixeira, da tropa de choque de defesa do ex-presidente.

Thompson ainda destacou a decisão de Gebran Neto, mantida por ele, que manteve Lula na cadeia. O ex-presidente está preso e condenado desde o dia 7 de abril, no caso do triplex do Guarujá (SP), que envolve propinas da OAS.

Lula lançou oficialmente sua pré-candidatura no início de abril, assim que foi determinada sua prisão, após confirmação em segundo grau de sua condenação no caso triplex.

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.