Presidente do TCE de São Paulo cobra explicações do Hospital Universitário da USP sobre anulação de concurso após suspeita de apadrinhamento

Presidente do TCE de São Paulo cobra explicações do Hospital Universitário da USP sobre anulação de concurso após suspeita de apadrinhamento

Conselheiro Dimas Ramalho aponta para possível 'inobservância dos princípios da moralidade e da impessoalidade' e dá dez dias para direção do HU informar sobre denúncias de favorecimento de duas candidatas que teriam parentesco com uma funcionária da instituição

Redação

27 de julho de 2022 | 18h49

Fachada do Hospital Universitário. Foto: Marcos Santos/USP Imagens

O presidente do Tribunal de Contas do Estado de São Paulo, conselheiro Dimas Ramalho, oficiou nesta quarta-feira, 27, o Hospital Universitário da Universidade de São Paulo com questionamentos acerca da anulação de concurso para a contratação de técnicos de enfermagem após a suspeita de favorecimento de duas candidatas que teriam grau de parentesco com uma funcionária da instituição.

O HU tem dez dias para apresentar as informações solicitadas pela corte de contas. De acordo com Ramalho, os dados vão subsidiar ‘ações fiscalizatórias’ realizadas pelo Tribunal quanto às contas do hospital.

Documento

O conselheiro do TCE-SP pede esclarecimentos sobre os fundamentos utilizados para a anulação do concurso público e informações sobre as medidas adotadas pela administração do hospital para apurar os ‘fatos narrados sobre suposta inobservância dos princípios da moralidade e impessoalidade’.

Além disso, questiona o vínculo entre as candidatas que tiraram nota máxima na prova do concurso, com a funcionária do hospital e pede informações sobre o cargo e as funções desempenhadas pela servidora na instituição. Também pergunta se há o conhecimento de vínculos entre candidatos e outros funcionários do HU.

O ofício ainda questiona as providências adotadas em relação à entidade responsável pela realização do concurso, considerando ‘supostos problemas de segurança, potencial risco de vazamento e conflitos de interesses’.

O presidente do TCE-SP também quer saber se houve participação de funcionários da administração pública na realização do concurso, devendo o hospital fornecer nomes, cargos e funções exercidas por cada servidor supostamente envolvido.

Fora isso, o documento pergunta se haverá o ressarcimento das taxas de inscrições aos candidatos que participaram do concurso, considerando seu cancelamento.

COM A PALAVRA, O HOSPITAL UNIVERSITÁRIO

A reportagem busca contato com o hospital. O espaço está aberto para manifestações.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.