Presidente da BR foi cinco vezes a gabinete de Collor

Senador foi denunciado pela PGR por corrupção em obras na gestão de Lima Neto

Redação

24 de agosto de 2015 | 12h47

Collor foi denunciado por corrupção e lavagem de dinheiro. Foto: Dida Sampaio/Estadão

Collor foi denunciado por corrupção e lavagem de dinheiro. Foto: Dida Sampaio/Estadão

Atualizada às 13h03

Por Andreza Matais

BRASÍLIA – O presidente da BR Distribuidora, José Lima Neto, esteve ao menos cinco vezes no gabinete do senador Fernando Collor (PTB-AL) no Senado desde que assumiu o cargo no final de 2009. Os encontros foram a pedido de Collor, denunciado na última semana pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot, por envolvimento em esquema de corrupção envolvendo a subsidiária da Petrobrás. Ex-presidente da UTC Engenharia Ricardo Pessoa disse que repassou a Collor R$ 20 milhões para conseguir obras de infraestrutura na BR licitadas na gestão de Lima Neto.

O presidente da BR conheceu Collor quando era secretário de Petróleo e Gás, nomeado pelo então ministro das Minas e Energia Edison Lobão. Antes disso, comandou a Petroquisa, subsidiária da Petrobrás subordinada a diretoria de Paulo Roberto Costa. Collor e Paulo Roberto são alvos da Lava Jato.

BR alterou licitação para incluir cartel que lesou Petrobrás, aponta auditoria

A pessoas próximas, Lima Neto diz que chegou na BR pelas mãos do seu antecessor, o ex-presidente do PT e da Petrobrás José Eduardo Dutra, e nega ter recebido apoio político de Collor e Lobão. Apesar disso, vai perder o cargo na BR no mesmo momento em que os dois senadores deixaram de ter controle político da empresa. Lima Neto não é citado nas investigações da Lava Jato, mas já disse a interlocutores que o fato de ter presidido a empresa quando ocorreram as ilegalidades nas licitações o enfraqueceram. O governo contratou um headhunter para buscar um nome no mercado para substituí-lo. Oficialmente, a justificativa é que a empresa esta abrindo 35% do seu capital e necessita de um nome forte. No mês passado, toda diretoria foi substituída, apenas ele foi mantido no cargo.

PGR inclui ex-ministro de Collor em denúncia de corrupção

Defesa de Collor diz que senador seria ouvido dia 28 e que denúncia foi ‘açodada’

Entre os que já deixaram a empresa no rastro da Lava Jato estão dois nomes apadrinhados por Collor: o ex-diretor de Operações e Logísticas José Zonis e o ex-diretor de Rede de Postos Luiz Sanches. Relatório de auditoria sobre as licitações sucessivas vencidas pela UTC tocadas pela diretoria de Zonis indica que ele teve dois encontros com Ricardo Pessoa em datas consideradas chaves para o certame.

Uma das reuniões na sede da BR, no Rio de Janeiro, ocorreu no mesmo dia em que houve o lançamento do convite para as obras do Basul, 5/8/2010. À comissão de auditoria, Zonis disse que não se recordava que assunto trataram. Zonis também já recebeu Collor na BR. A subsidiária da Petrobrás decidiu estabelecer a partir de agora novas regras para o recebimento de visitas pelos diretores. O assunto tratado será registrado e quem estava presente na conversa que terá que ser acompanhada.

COM A PALAVRA A BR

Sobre as reuniões do presidente da BR com o senador Fernando Collor, a empresa informou que “as obras realizadas pela UTC para a Petrobras Distribuidora não foram tratadas em nenhuma reunião entre Lima e qualquer político, incluindo o senador Collor” e que ele, eventualmente, recebe e visita parlamentares, governadores, prefeitos e representantes de entidades da sociedade civil. Os contatos e reuniões têm tratamento técnico dado pela BR, em conformidade com a sua responsabilidade social”.

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.