‘Presidência está nas mãos de um homem conservador, ultrapassado, como sua antecessora’

‘Presidência está nas mãos de um homem conservador, ultrapassado, como sua antecessora’

No Twitter, Joaquim Barbosa afirma que após ‘impeachment tabajara’, o País está sob o controle de um bloco hegemônico incontrastável

Fausto Macedo, Julia Affonso e Mateus Coutinho

01 de setembro de 2016 | 17h05

Foto: Dida Sampaio/Estadão

Foto: Dida Sampaio/Estadão

Em seguidas mensagens postadas em seu Twitter na madrugada desta quinta-feira, 1, o ex-presidente do Supremo Tribunal Federal Joaquim Barbosa fez declarações sobre o futuro do País após o impeachment de Dilma Rousseff (PT), que classificou como ‘tabajara’. Para o ex-ministro da mais alta Corte do País, ‘o conservadorismo é a regra’.

Joaquim Barbosa. Foto: ANTONIO CRUZ/AGENCI BRASIL

Joaquim Barbosa. Foto: ANTONIO CRUZ/AGENCI BRASIL

Por 61 votos a 20 e nenhuma abstenção, Dilma foi cassada e afastada da Presidência da República definitivamente pelo Senado Federal, por crime de responsabilidade. Em uma segunda votação, por 42 votos a 36 e três abstenções, a petista não foi inabilitada de exercer funções públicas.

joaquim-stf2

Por volta das 3h, Joaquim Barbosa perguntou a seu seguidores no Twitter. “O que acontece com o Brasil daqui para a frente, após o impeachment tabajara?”. O próprio ex-ministro respondeu. “Desaparecem algumas “instâncias de exercício” da desconfiança: o país está agora sob o controle de um bloco hegemônico incontrastável.”

“Vejamos. A Presidência da República está nas mãos de um homem conservador, ultrapassado, desconectado do país, como aliás sua antecessora”, disse.

“O Congresso, idem. Inteiramente dominado pelas mesmas forças conservadoras. E a imprensa, a mídia? Sem discrepância! O conservadorismo é a regra!”

O ex-presidente do Supremo declarou ainda. “É aí que mora o perigo! Numa situação como essa, o errado torna-se certo; o crime vira virtude; nada se pode fazer. as vozes divergentes tendem a silenciar-se. Ou a serem silenciadas. Desperta, Brasil!”

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: