‘Presente de puxa-saco para me agradar’

‘Presente de puxa-saco para me agradar’

Assista ao interrogatório do ex-governador do Rio Sérgio Cabral (PMDB) ao juiz Marcelo Bretas sobre acusação do empreiteiro Fernando Cavendish de que o anel de R$ 800 mil dado à mulher do peemedebista foi pagamento de propina

Constança Rezende/RIO

05 de dezembro de 2017 | 19h13

O ex-governador do Rio Sérgio Cabral (PMDB) disse que o anel de cerca de R$ 800 mil comprado pelo empresário da Delta, Fernando Cavendish, para a primeira-dama Adriana Ancelmo “foi um presente de puxa-saco” para lhe agradar. Cabral também declarou que o empresário mentiu no depoimento dessa segunda-feira, 4, ao dizer que o objeto foi um “anel de compromisso” com o ex-governador, que teve como contrapartida a participação da Delta nas obras do Maracanã.

“Esse pobre sujeito está desesperado por esta acusação de ter lavado mais de R$ 300 milhões. Ele vai mudando a versão dele de acordo com os interesses da acusação. Ele me deu a oportunidade de dizer ao senhor (juiz Marcelo Bretas) que ele é um mentiroso. Ele me entregou anel de presente, um presente de puxa-saco, querendo me agradar e que foi devolvido”, disse Cabral, em interrogatório na tarde desta terça-feira, 5, para a 7ª Vara Federal Criminal.