‘Temos uma obsessiva preocupação em tornar o sistema tão transparente quanto possível’, diz Barroso sobre inspeção do código das urnas

‘Temos uma obsessiva preocupação em tornar o sistema tão transparente quanto possível’, diz Barroso sobre inspeção do código das urnas

Em meio a ataques do presidente Jair Bolsonaro, Tribunal Superior Eleitoral decidiu antecipar abertura dos códigos-fonte usados na programação das urnas eletrônicas em evento nesta segunda-feira, 4

Rayssa Motta

04 de outubro de 2021 | 18h23

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) abriu nesta segunda-feira, 4, os códigos-fonte das urnas eletrônicas para inspeção da sociedade civil e de entidades fiscalizadoras. O evento, que tradicionalmente ocorre a seis meses das eleições, foi antecipado em meio aos ataques ao sistema de votação.

O ministro Luís Roberto Barroso, presidente do tribunal, disse que a medida faz parte dos esforços para ampliar a transparência das etapas do processo eleitoral.

“Nós temos uma obsessiva preocupação em tornar o sistema tão transparente quanto possível”, afirmou. “Estamos muito emprenhados em prover à sociedade brasileira, como temos feito ao longo dos anos, eleições limpas, seguras e auditáveis”, acrescentou.

Partidos de diferentes inclinações políticas com representação no Congresso enviaram integrantes para acompanhar a apresentação dos técnicos do TSE. Ministros de tribunais superiores, membros da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) e representantes do Ministério Público Federal também estiveram no evento.

Ministro Roberto Barroso durante entrevista coletiva sobre o balanço das eleições municipais. Foto: Dida Sampaio / Estadão

O secretário de Tecnologia da Informação do TSE, Júlio Valente, e o assessor da Secretaria de Modernização, Gestão e Estratégia da Corte, Célio Castro, fizeram exposições sobre o funcionamento das urnas eletrônicas e as etapas de fiscalização.  “As urnas eletrônicas brasileiras não possuem bluetooth, não possuem acesso wifi, não possuem acesso para cabeamento físico de redes”, frisou Valente.

Além de ter antecipado a abertura dos códigos-fonte, o TSE também criou uma comissão formada por membros de instituições e órgãos públicos, especialistas em tecnologia da informação e representantes da sociedade civil para acompanhar a preparação para as eleições.

Além de ter antecipado a abertura dos códigos-fonte, o TSE também criou uma comissão formada por representantes de instituições e órgãos públicos, especialistas em tecnologia da informação e representantes da sociedade civil para acompanhar a preparação para as eleições.

“Como o sistema flui há muito tempo, e felizmente flui bem, muitas pessoas nunca se deram ao trabalho de parar para saber exatamente como é cada etapa, como é transparente e como nós temos preocupações com a auditoria das eleições”, disse Barroso no evento.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.