Precisamos recuperar a credibilidade do Crea-SP

Precisamos recuperar a credibilidade do Crea-SP

José Manoel Ferreira Gonçalves*

01 de julho de 2020 | 14h10

José Manoel Ferreira Gonçalves. FOTO: DIVULGAÇÃO

Em artigo publicado, a atual vice-presidente do CREA-SP defende as eleições presenciais no dia 15 de julho para escolher a próxima diretoria do Conselho.

Faz isso em nome de um rito duvidoso, imposto pelo Confea. Faz isso, vejam só, em nome da segurança, da transparência e, dizem, da democracia!

As eleições pela internet que a vice-presidente refuta não apenas são seguras pois evitaria aglomerações em tempos de pandemia, como são  transparentes, visto que já foi adotada por outros Conselhos. A escolha também é a mais democrática possível, visto que insistir em adotar a eleição presencial como a única forma de pleito afastaria parte dos cerca de um milhão  de profissionais que estão registrados no CREA-SP da votação.

Tanto isso é verdade que  semana passada o Tribunal Regional Federal da 3ª Região (TRF-3) definiu que as eleições no CREA-SP fossem realizadas também de forma virtual, entendendo o risco que os eleitores correm ao se submeterem à vontade da atual gestão, de exigir o voto exclusivamente presencial.

O que estamos propondo é uma medida democrática, garantida pelo regulamento eleitoral de número 1.114 de 2019 em seu artigo 87. A realização do pleito de modo virtual será absolutamente transparente, acompanhando o processo desde o início. Vamos utilizar todos os espaços em defesa da democracia, porque a auditoria e o acompanhamento do auditor deve ser rigorosamente respeitado e isso será exigido.

O desafio básico é o CREA se colocar como um conselho que defende a engenharia e recupere a sua credibilidade. Do engenheiro no sistema e do sistema junto à sociedade. Hoje nós temos um sistema bastante desprestigiado. Apenas 5% das anotações de responsabilidade técnica são preenchidas, a engenharia não participa de nenhum grande debate nacional como por exemplo a privatização da Sabesp ou do Metrô.

Nós temos um papel que não é somente o de olhar interna corpuris, temos que melhorar a qualidade dos cursos de formação dos engenheiros, discutir o conteúdo programático, melhorar os cursos de pós-graduação. É necessário que haja uma valorização do profissional e para isso, nós temos que estar presentes. Que o engenheiro conte com o CREA como uma instituição que o represente.

Ademais,  jamais podemos ignorar a tecnologia. Queremos um CREA que seja capaz de influenciar na feitura do projeto de desenvolvimento nacional que a engenharia pode (e deve) participar efetivamente.

*José Manoel Ferreira Gonçalves é jornalista, advogado, engenheiro, cientista político, professor e escritor e atual candidato à presidência do CREA-SP

Tudo o que sabemos sobre:

Artigo

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.