Por que Moro absolveu Adriana Ancelmo

Por que Moro absolveu Adriana Ancelmo

Sérgio Cabral, acusado de propina de R$ 2,7 milhões nas obras do Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro (Comperj),da Petrobrás, pegou 14 anos e 2 meses de prisão por corrupção e lavagem de dinheiro

Victor Labaki

13 de junho de 2017 | 16h04

Sérgio Cabral e Adriana Ancelmo. Foto: Marcos Arcoverde/Estadão – 2007

Ao absolver a ex-primeira-dama do Rio Adriana Ancelmo dos crimes de corrupção e lavagem de dinheiro, o juiz federal Sérgio Moro alegou não haver ‘prova suficiente de autoria ou participação’ da mulher do ex-governador do Rio de Janeiro Sérgio Cabral (PMDB-RJ). O peemedebista, acusado de propina de R$ 2,7 milhões nas obras do Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro (Comperj),da Petrobrás, pegou 14 anos e 2 meses de prisão por corrupção e lavagem de dinheiro.

Documento

Adriana Ancelmo é a segunda mulher de um político envolvido em crimes investigados pela Operação Lava Jato a ser absolvida por Moro. Em maio, o magistrado livrou Cláudia Cruz, mulher do ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha (PMDB-RJ) dos crimes de lavagem de dinheiro e evasão de divisas.

+ Absolvição de Cláudia veio do ‘coração generoso’ de Moro, diz procurador da Lava Jato

+ Moro confisca R$ 640 mil de Cláudia

Na denúncia que pegou Adriana, o Ministério Público Federal listou gastos da família Cabral que seriam superiores a R$ 100 mil mensais. Algumas compras teriam sido feitas pela mulher do peemedebista.

Moro observou que Adriana ‘tinha um padrão de vida, especialmente de consumo, acima do normal e inconsistente com os rendimentos lícitos dela e do ex-governador’.

“É reprovável que tenha gasto recursos provenientes de crimes de corrupção para aquisição de bens, inclusive de luxo”, anotou.

Moro afirma, no entanto, que a ex-primeira-dama não teria como saber de crimes de lavagem praticados pelo marido. Segundo o magistrado, as compras em lojas de grifes não são suficientes para condená-la.

“O gasto do produto do crime em bens de consumo não é, por si só, lavagem de dinheiro e não há prova suficiente de que ela participou das condutas de ocultação e dissimulação que caracterizaram esse crime no caso concreto, ou seja, na estruturação das transações financeiras para burlar os sistemas de prevenção e controle no âmbito das instituições financeiras”, diz Moro.

“Por mais que seja reprovável o gasto, em bens, do produto do crime de corrupção, isso não torna o cônjuge de agente público corrompido partícipe do crime de corrupção.”

O juiz federal ressaltou, no entanto, que Adriana ainda responde a outros processos na Justiça do Rio de Janeiro e que é possível que a ex-primeira dama seja condenada.

“É possível que, em relação às condutas de corrupção e lavagem a ela imputadas nos outros processos e que envolvem, por exemplo, diretamente o escritório de advocacia por ela dirigido, com alegações de que haveria contratos fictícios de prestação de serviços, seja ela culpada”, observou.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: