Por menos burocracia no cerco à corrupção, PF cria ‘Delegacia Modelo’ na base da Lava Jato

Por menos burocracia no cerco à corrupção, PF cria ‘Delegacia Modelo’ na base da Lava Jato

Projeto deverá implementar na sede da corporação em Curitiba métodos, ferramentas e padrões aplicáveis à investigação e análise em processos voltados ao combate de crimes financeiros e corrupção

Pedro Prata

31 de outubro de 2019 | 15h31

A Polícia Federal criou sua primeira Delegacia Modelo de Investigação e Análise Financeira para impor ritmo mais célere às investigações sobre corrupção e crimes financeiros. A unidade será inaugurada nesta sexta, 1, às 15 hs, na PF de Curitiba, base da Operação Lava Jato, pelo ministro Sérgio Moro (Justiça e Segurança Pública) e pelo diretor-geral da corporação, delegado Maurício Valeixo.

Superintendência da Polícia Federal em Curitiba. Foto: JF Diorio/Estadão

A Delegacia deverá implementar métodos, ferramentas e padrões aplicáveis à investigação e análise em processos voltados ao combate de crimes financeiros e corrupção.

Segundo a Assessoria de Comunicação da PF, o projeto vai funcionar no âmbito da Delegacia de Repressão à Corrupção e Crimes Financeiros da Superintendência Regional da Polícia Federal no Paraná.

“Ele deverá institucionalizar boas práticas de sucesso investigativo, com trabalho na plataforma de inquérito digital e-pol, na busca de uma atuação com menos burocracia e mais integração e efetividade na alocação dos recursos investigativos”, destacou a PF.

A delegacia contará com um laboratório em parceria com outras áreas de inovação da PF para o desenvolvimento e emprego de novas tecnologias nas áreas de Big Data e Business Intelligence, que ‘contribuirão na agilidade das investigações em casos complexos de repressão à corrupção, crimes financeiros e lavagem de dinheiro’.

A PF destacou que existe ‘um esforço para que haja padronização de ações, de conhecimento técnico, de tratamento de dados e rotinas básicas relacionadas a crimes financeiros e de corrupção’.

A Delegacia contará com capacitação e treinamento em casos reais, difusão de tecnologias, convênios e promoção de intercâmbio com as outras unidades da Polícia Federal.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.