Por fiança de 50 mínimos, Justiça solta noivo que bancou casório com Lei Rouanet

Por fiança de 50 mínimos, Justiça solta noivo que bancou casório com Lei Rouanet

Felipe Amorim, o irmão Bruno e o pai Antonio Carlos Bellini, apontado como mentor de desvios de R$ 180 milhões em projetos sob suspeita, haviam sido presos na Operação Boca Livre

Julia Affonso e Fausto Macedo

09 de julho de 2016 | 06h17

Foto: Reprodução/Instagram

Foto: Reprodução/Instagram

O Tribunal Regional Federal da Terceira Região soltou o empresário Antonio Carlos Bellini, dono da Bellini Cultural, e os filhos Felipe Amorim e Bruno Amorim, presos na Operação Boca Livre que investiga fraudes de R$ 180 milhões na Lei Rouanet. Felipe Amorim é suspeito de ter bancado o próprio casamento, uma festa de luxo em Jurerê Internacional, com verbas da Rouanet.

A decisão liminar é do desembargador Nino Toldo.

[veja_tambem]

O Tribunal determinou fiança de 100 salários mínimos para Antonio Carlos e 50 mínimos para cada filho Felipe e Bruno.

Na semana passada, a Justiça encontrou R$159,71 em cinco contas do empresário Felipe Amorim. Em outras quatro contas do empresário Antonio Carlos Bellini Amorim, os investigadores não acharam um único centavo.

Em doze contas dos Bellini, rastreadas pelo Banco Central, foram bloqueados R$ 161,56 – aqui somado o R$ 1,85 localizados em três contas de Bruno.

Tudo o que sabemos sobre:

Lei RouanetOperação Boca Livre

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.