A pedido de Bolsonaro, PL retira ação contra Lollapalooza no TSE

A pedido de Bolsonaro, PL retira ação contra Lollapalooza no TSE

Decisão que censurou artistas poderia ser cassada pelo plenário da Corte eleitoral

Eduardo Gayer/Brasília

28 de março de 2022 | 19h57

O PL retirou a ação contra o festival de música Lollapalooza no Tribunal Superior Eleitoral (TSE). A desistência já foi protocolada na Corte e atende a um pedido direto do presidente Jair Bolsonaro.

“O Partido Liberal – 22, já qualificado nos autos vem, respeitosamente, requerer a desistência da ação com consequente arquivamento do feito”, diz a peça protocolada há instantes no TSE.

Aliados dizem que Bolsonaro não foi consultado sobre a medida jurídica e, contrariado com a reação negativa nas redes sociais e até dentro do TSE, pediu ao partido que voltasse atrás.

Pabllo Vittar segurou toalha com a foto de Lula ao chegar no Lollapalooza 2022 em São Paulo. Foto: Reprodução/ Multishow.

O PL foi ao TSE após a cantora Pabllo Vittar exibir uma bandeira do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) durante sua apresentação no festival de música no último sábado. De acordo com o partido, o ato configura campanha eleitoral antecipada e, por isso, foi ilegal. No domingo, o ministro Raul Araújo, da Corte Eleitoral, acolheu o pedido do partido e proibiu o que chamou de propaganda política antecipada.

A liminar repercutiu mal dentro do TSE, como mostrou a reportagem, e também no meio político. Autoridades viram restrição descabida à liberdade de expressão e criticaram Araújo pela decisão monocrática.

A organizadora do Lollapalooza pediu reconsideração do despacho, que ainda precisaria ser referendado em plenário. O PT também acionou o TSE contra a medida.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.