Polícia prende 50 por tráfico, roubos e assassinatos e apreende RS 1,1 milhão em SC

Polícia prende 50 por tráfico, roubos e assassinatos e apreende RS 1,1 milhão em SC

Operação Network foi realizada nesta quinta, 25, e sexta-feira, 26, e teve mandados expedidos pela Vara Criminal da Região Metropolitana de Florianópolis. Quantia em espécie foi encontrada em caixas de papelão dentro de imóvel na capital catarinense

Rodrigo Sampaio, Especial para o Estado

27 de junho de 2020 | 05h00

A Polícia Civil de Santa Catarina prendeu 50 pessoas e apreendeu R$ 1,1 milhão em dinheiro vivo em uma operação realizada nesta quinta, 25, e sexta-feira, 26. Intitulada Operação Network, a ação teve mandados de prisão e de busca e apreensão expedidos pelo juiz Elleston Lissandro Canali, da Vara Criminal da Região Metropolitana de Florianópolis. A quebra de sigilo de dados dos investigados e o compartilhamento de provas também foram deferidos. De acordo com os autos, os investigados integram uma organização criminosa dedicada ao tráfico de drogas, roubos e homicídios.

Operação da Polícia Civil apreendeu mais de R$ 1 milhão em Florianópolis. Foto: Divulgação/Polícia Civil

Segundo a Justiça de Santa Catarina, na decisão em que decretou a prisão temporária de 83 suspeitos e buscas em 57 imóveis, o juiz Canali destacou a constatação de que a atuação do grupo é sustentada pelo tráfico de drogas, com informações de que endereços residenciais eram utilizados para esconder entorpecentes e armas pertencentes à facção. Conforme a representação da Delegacia de Repressão ao Crime Organizado, imagens do circuito interno de segurança mostraram um indivíduo, que seria integrante da mesma organização, deixando uma mala e caixas no local onde os valores foram encontrados. Interceptações telefônicas permitiram que a polícia avançasse nas investigações. 

“Ao que tudo indica, os representados estão amplamente envolvidos em tal contexto criminoso, circunstância que só poderá ser mais bem esclarecida se deferida a medida pleiteada, justificando o expediente excepcional em viabilização direta da investigação criminal, a qual não tem outra função senão a tutela da ordem pública, já tão maculada pela reiterada e disseminada prática da comercialização de substâncias entorpecentes”, escreveu o magistrado no despacho que decretou as prisões.

De acordo com informações da justiça catarinense, as prisões temporárias, cumpridas nesta quinta-feira, têm prazo de 30 dias, prorrogáveis por mais 30, desde que comprovada a necessidade. Já a ação desta sexta-feira, que resultou na apreensão da quantia milionária em um imóvel de São José, teve origem em um novo mandado de busca, expedido no dia anterior. A investigação está em sigilo por conter informações relacionadas a interceptações telefônicas.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: