Polícia leva publicitário para delegacia por insultos e ameaças a Alexandre de Moraes no Clube Pinheiros

Polícia leva publicitário para delegacia por insultos e ameaças a Alexandre de Moraes no Clube Pinheiros

Alexandre da Nova Forjas foi ouvido no plantão do 14º Distrito Policial, no bairro paulistano de Pinheiros, na madrugada de sexta-feira, 3, negou ter ofendido ministro do STF

Pepita Ortega e Fausto Macedo

05 de setembro de 2021 | 17h08

O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal. Foto: Gabriela Biló / Estadão

Ameaças e insultos ao ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal, por pessoas supostamente embriagadas que estavam no Clube Pinheiros levaram um segurança do magistrado a registrar um boletim de ocorrência por injúria na madrugada da sexta-feira, 3. De acordo com o documento obtido pelo Estadão, um integrante da escolta pessoal do ministro disse ter presenciado um homem chamar Alexandre de ‘careca ladrão’, ‘advogado do PCC’, ‘vamos fechar o STF’ e ‘careca filha da puta’.

O ministro havia chegado de Brasília e estava em seu apartamento, de onde ouviu impropérios a ele dirigidos. Segundo apurou a reportagem, foram registrados vídeos e áudios sobre o caso. Os materiais devem ser apresentados no âmbito do inquérito.

O B.O. foi lavrado contra o agente publicitário Alexandre da Nova Forjas, que foi conduzido por policiais militares para a delegacia do 14º Distrito Policial, em Pinheiros. No local, ele alegou que estava assistindo um jogo de futebol no Clube Pinheiros, afirmando que havia várias mesas insultando o ministro do STF. Forjas disse que não conhecia tais pessoas e, questionado sobre os insultos e ameaças, negou.

O segurança de Alexandre de Moraes relatou à polícia que foi acionado por ‘vigilantes particulares’ que lhe informaram sobre as ameaças e injúrias que teriam sido feitas ao ministro do STF no Clube Pinheiros. Ele se dirigiu até o local, disse que ‘constatou da calçada e por meio da grade do clube quatro indivíduos em uma mesa falando alto e ingerindo bebidas alcoólicas’ e pediu para um funcionário do clube que orientasse o grupo que insultava Alexandre para que parasse com as ofensas.

O integrante da escolta pessoal do magistrado disse ainda que permaneceu no local até cerca de uma hora da manhã, quando os ‘ânimos se acalmaram’, e em seguida deixou o Clube. No entanto, antes de chegar na sua base operacional, o segurança foi avisado novamente pelos funcionários que os indivíduos novamente passaram a ameaçar e ofender Alexandre.

O segurança afirma que, quando chegou na portaria do Clube Pinheiros, presenciou Forjas xingar o ministro de ‘careca ladrão’, ‘advogado do PCC’, ‘vamos fechar o STF’ e ‘careca filha da puta’. Ainda de acordo com o B.O., uma outra testemunha também presenciou os fatos.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.