Polícia Federal procura Rocha Mattos

Polícia Federal procura Rocha Mattos

Ex-juiz federal em São Paulo é apontado como mentor de organização criminosa que negociava sentenças judiciais em esquema descoberto pela Operação Anaconda, em 2003; ordem de prisão foi expedida semana passada

Julia Affonso e Mateus Coutinho

24 de junho de 2016 | 14h26

Rocha Mattos. Foto: Beto Barata/AE

Rocha Mattos. Foto: Beto Barata/AE

A Polícia Federal procura o ex-juiz João Carlos da Rocha Mattos, condenado por lavagem de dinheiro e supostamente ser o mentor de organização criminosa que negociava sentenças judiciais em São Paulo. O esquema foi desmantelado pela Operação Anaconda, deflagrada em 2003 pela Polícia Federal e Procuradoria da República.

Na semana passada, foi expedida uma ordem de prisão contra Rocha Mattos. A ordem de prisão, do Superior Tribunal de Justiça, atendeu pedido do Ministério Público Federal para que tivesse início o cumprimento da pena imposta ao ex-juiz por crime de lavagem de dinheiro.

A decisão se baseia no entendimento recente do Plenário do Supremo Tribunal Federal que admite o início do cumprimento da pena após condenação em segundo grau.

Em abril, o Supremo negou o recurso derradeiro da defesa do ex-juiz, condenado em processo penal por falsidade ideológica e peculato. Os ministros da Corte máxima determinaram o trânsito em julgado da ação. Rocha Mattos pegou, neste caso, seis anos e três meses de prisão.

Rocha Mattos foi acusado de ser o mentor de uma organização criminosa que negociava decisões judiciais, descoberta nas investigações da Operação Anaconda. Deflagrada em 2003, a operação resultou em várias ações penais propostas pelo Ministério Público Federal.

A Justiça Federal de São Paulo reconheceu que o ex-juiz participou de quadrilha voltada à prática de prevaricação, corrupção, fraude processual, tráfico de influência, peculato e lavagem de dinheiro.

O Núcleo de Combate à Corrupção da Procuradoria Regional da República das 3.ª Região teve participação ativa nas instâncias superiores, não só acompanhando o processo e traçando estratégias para evitar a prescrição da pena, como também diligenciando para que se completasse o trâmite burocrático do retorno do processo ao Tribunal Regional Federal da 3.ª Região (TRF3) e à Vara Federal responsável pela expedição da guia de recolhimento.

Em outubro de 2015, o Ministério Público Federal obteve ainda mais uma importante vitória no caso. Naquela ocasião, foram repatriados para a Conta Única do Tesouro Nacional US$ 19.419.496,73 (R$ 77.468.096,11) que haviam sido depositados pelo ex-juiz na Suíça.

A comunicação do repatriamento foi feita pela Coordenação de Recuperação de Ativos do Ministério da Justiça e à procuradora regional da República Maria Luisa Carvalho, integrante do Núcleo de Combate à Corrupção da Procuradoria Regional da República 3 e responsável pelo processo crime no qual o ex-juiz foi condenado definitivamente por corrupção passiva, o qual serviu de fundamento para a repatriação dos ativos.

Para o repatriamento, as autoridades suíças consideraram o pedido de cooperação formulado pelo Brasil, a cooperação prestada pelo Brasil àquele país para a instrução de procedimento de lavagem de dinheiro lá instaurado contra o ex-juiz, o trânsito em julgado de condenação de Rocha Mattos por corrupção passiva e o reconhecimento de que ele e a ex-mulher Norma Regina Emílio Cunha ‘participaram de quadrilha voltada à prática de incontáveis crimes contra a administração pública brasileira’.

Até o momento o ex-juiz não foi localizado pela Polícia Federal.

A reportagem não localizou a defesa de Rocha Mattos. O telefone de sua residência, na praça da República, centro de São Paulo, não atendeu.

Tudo o que sabemos sobre:

Rocha Mattos

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: