Pobre São Paulo

Pobre São Paulo

Flavio F. de Figueiredo*

08 de outubro de 2020 | 16h00

Flavio F. de Figueiredo. FOTO: DIVULGAÇÃO

São Paulo está abandonada à própria sorte há muitos anos, entra prefeito, sai prefeito, e isto não é novidade para aqueles que efetivamente nela vivem, andam por suas ruas e calçadas, frequentam parques e utilizam equipamentos públicos.

Também não é notícia nova que a pandemia afetou a continuidade de muitas empresas, especialmente aquelas cuja saúde financeira já não estava muito boa.

Estabelecimentos que fecham precisam ser substituídos por novos, ou por filiais de negócios já estabelecidos. É a rotina, o ciclo da vida econômica.

Infelizmente, em muitos locais a cidade está tão degradada que é incerta a disposição de alguém para dar nova vida a um ponto comercial, ou ali instalar seus escritórios.

Apenas para exemplificar, destaco o Centro Novo, a região em torno do Teatro Municipal. Situada a poucas centenas de metros do gabinete do Senhor Prefeito, tenho certeza de que ele não costuma sequer dar uma passadinha por ali, para ver como está. Passaria vergonha, muita vergonha.

Sujeira, lixo, calçadas danificadas, ambulantes, barracas para moradia e aspecto geral deplorável emolduram dezenas de lojas fechadas e prédios para escritórios parcial ou integralmente fechados.

O que estão esperando? Que mais uma Cracolândia ali se consolide?

Situações como essas exigem intervenção urgente e planejada. Caso contrário, será tarde demais.

Não adianta gastar milhões para renovar o Anhangabaú, enquanto seu entorno, que já era deteriorado, apodrece aceleradamente.

*Flávio F. de Figueiredo, engenheiro civil, consultor, conselheiro do Ibape/SP – Instituto Brasileiro de Avaliações e Perícias de Engenharia de São Paulo e diretor da Figueiredo & Associados Consultoria

Tudo o que sabemos sobre:

Artigo

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.