PMDB do Rio nega responsabilidade por nomear envolvidos em corrupção

PMDB do Rio nega responsabilidade por nomear envolvidos em corrupção

Lava Jato investiga pagamento de propina em obras do BRT TransCarioca e de recuperação ambiental da Bacia de Jacarepaguá; Alexandre Pinto, ex-secretário de Obras da gestão Eduardo Paes (PMDB), foi preso nesta quinta-feira, 3

Redação

03 Agosto 2017 | 16h06

O PMDB do Rio divulgou nota em que se exime de responsabilidade na nomeação de acusados de envolvimento nos supostos crimes investigados pela Polícia Federal e pelo Ministério Público Federal na Operação Rio 40 Graus, cuja fase ostensiva foi deflagrada nesta quinta-feira, 3.

+ Confirmadas as acusações, será uma decepção, diz Paes sobre ex-secretário preso

Paes diz ‘não estar preocupado’ com eventual delação de ex-auxiliar preso

A ação policial investiga pagamento de propina em obras do BRT TransCarioca e de recuperação ambiental da Bacia de Jacarepaguá. Entre os presos, está Alexandre Pinto, ex-secretário de Obras do então prefeito Eduardo Paes (PMDB).

“O PMDB do Rio de Janeiro nunca influenciou direta ou indiretamente na administração do Estado nem de quaisquer de suas prefeituras, cabendo a responsabilidade da escolha de seus secretários sempre aos chefes do Executivo. Tentar envolver o PMDB-RJ é uma leviandade. No caso específico do Rio de Janeiro, as pessoas envolvidas são funcionários de carreira da Prefeitura e não têm qualquer vinculação partidária”, afirmou o texto.

Lava Jato aponta ‘taxa de oxigênio’ também na Prefeitura do Rio

Ex-secretário de Paes recebeu propina em dinheiro, diz Procuradoria

Mais conteúdo sobre:

PMDBoperação Lava Jato