Plenário do STF analisa pedido de liberdade de Lula

Plenário do STF analisa pedido de liberdade de Lula

Rafael Moraes Moura

07 de agosto de 2019 | 17h23

O presidente do STF, Dias Toffoli, classificou como ‘temerário’ compartilhamento de dados sem autorização prévia. FOTO: DIDA SAMPAIO/ESTADÃO

Brasília, 07/08/2019 – O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Dias Toffoli, decidiu nesta quarta-feira (7) que caberá ao ministro Edson Fachin ser o relator dos pedidos da defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva para ficar em liberdade até a conclusão do julgamento em que a defesa do petista acusa o ex-juiz federal Sergio Moro de agir com parcialidade ao condená-lo no caso do tríplex do Guarujá.

O caso está sendo discutido agora no plenário do STF.

A defesa do ex-presidente Lula recorreu nesta quarta-feira ao ministro Gilmar Mendes contra decisão da juíza Carolina Lebbos, da 12ª Vara Federal de Curitiba, que autorizou a transferência do petista de Curitiba para São Paulo, com base em um pedido da Polícia Federal.

O advogado Cristiano Zanin Martins fez três pedidos a Gilmar: que conceda liminar para restabelecer a liberdade plena de Lula; subsidiariamente, suspenda a decisão de Carolina até a final julgamento de habeas corpus; e que assegure ao ex-presidente o direito de permanecer em Sala de Estado Maior.

Tendências: