‘Plea bargain não eleva riscos de condenar inocentes’

‘Plea bargain não eleva riscos de condenar inocentes’

Ministro da Justiça e Segurança Pública defende proposta que prevê acordos entre Ministério Público e acusado para fixar pena e evitar longa duração de processo criminal

Breno Pires e Fabio Serapião/BRASÍLIA

04 de fevereiro de 2019 | 13h44

O ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro, rebateu críticas feitas à proposta de aumentar na lei brasileira a possibilidade de acordo em que o acusado e o Ministério Público podem negociar pena. O chamado “plea bargain” é um dos pontos que ele incluiu no projeto de lei anticrime que apresentou nesta segunda-feira, 4, em Brasília, antecipado pelo Direto da Fonte, da jornalista Sonia Racy.

“Há críticas de que o Plea Bargain leva à condenação de inocentes, mas em qualquer instituição humana o risco judiciário é presente. O risco de condenação de inocentes acontece com ou sem plea bargain”, disse Moro.

Segundo o ministro, ‘mesmo no sistema brasileiro acontece eventualmente condenação de inocentes’.

Dida Sampaio/Estadão

“O plea bargain não eleva esses riscos. Fizemos alguns elementos para dar um controle maior pelo juiz do processo. O plea bargain também não deve servir como processo de impunidade”, afirmou Sérgio Moro, em entrevista à imprensa.

O ministro disse que nos Estados Unidos até 95% dos casos são resolvidos dessa forma.

No projeto de lei elaborado por Moro, que ainda pode passar por modificações, está previsto o acordo entre Ministério Público e investigado para, mediante confissão, fixar a pena sem necessidade de abertura de uma ação penal no judiciário – desde que a punição não seja inferior a 4 anos.

Crimes de corrupção e roubo, por exemplo, ficam de fora. O objetivo é desafogar o Judiciário. Além disso, o projeto também disciplina a prática de acordos em outros casos, quando já houve recebimento da denúncia.

Pela proposta, as penas nesse tipo de acordo “poderão ser diminuídas em até a metade ou poderá ser alterado o regime de cumprimento das penas ou promovida a substituição da pena privativa por restritiva de direitos, segundo a gravidade do crime, as circunstâncias do caso e o grau de colaboração do acusado para a rápida solução do processo”.

Pelo projeto, a exemplo de colaborações premiadas, caberá a um juiz homologar o acordo, avaliando as condições, entre elas se foi espontânea e se obedeceu aos requisitos legais.

A redação deixa claro no texto a impossibilidade de acordo em caso de a pena proposta pelo Ministério Público ser considerada desproporcional à infração ou se o juiz considerar que há provas insuficientes para uma condenação criminal.

Moro fez uma deferência ao ministro do Supremo Tribunal Federal, Alexandre de Moraes, que já havia apresentado ao Congresso uma proposta de incluir o plea bargain na lei brasileira. “Essa sugestão foi do ministro Alexandre de Moraes. Com a licença dele, nós plagiamos”, disse.