Planalto diz que Temer vai responder a questionamentos sobre Decreto dos Portos

Planalto diz que Temer vai responder a questionamentos sobre Decreto dos Portos

Secretaria de Comunicação Social da Presidência informou em nota que 'houve amplo debate com o setor antes da publicação do decreto de renovação das concessões'' e que 'todos os dados são públicos'

Rafael Moraes Moura/BRASÍLIA

02 de outubro de 2017 | 17h35

Raquel Dodge e Michel Temer. Foto: Dida Sampaio/Estadão

A Secretaria de Comunicação Social da Presidência da República informou em nota enviada à imprensa nesta segunda-feira, 2, que o presidente Michel Temer responderá aos questionamentos referentes ao Decreto dos Portos.

A procuradora-geral da República, Raquel Dodge, pediu na última quinta-feira, 28, ao Supremo Tribunal Federal (STF) que o presidente preste depoimento sobre a investigação que apura irregularidades em relação ao Decreto dos Portos. O relator do processo é o ministro Luís Roberto Barroso, a quem cabe decidir sobre os pedidos de diligência de Raquel.

+ Funaro diz que Temer e Cunha atuaram por grupos privados em MP dos Portos

+ Temer influenciou diretamente a aprovação da MP dos Portos, diz Funaro

Raquel Dodge pediu a concessão de um prazo de 60 dias para concluir as investigações no âmbito de um inquérito contra Temer, o ex-deputado federal Rodrigo Rocha Loures, e Antônio Celso Grecco e Ricardo Conrado Mesquita, respectivamente, dono e diretor da Rodrimar, empresa que opera no Porto de Santos.

OUTRAS DO BLOG: + Moro ganha prêmio que Teresa de Calcutá também recebeu

PF indica 10 para periciar sistemas de propina da Odebrecht

Doações para Instituto Lula saltaram de R$ 4 milhões para R$ 15 milhões em três anos

A apuração no STF investiga possíveis crimes de lavagem de dinheiro, corrupção ativa e corrupção passiva.

“O presidente da República, Michel Temer, responderá aos questionamentos pertinentes ao inquérito. Vale destacar que houve amplo debate com o setor antes da publicação do decreto de renovação das concessões de portos. Todos os dados são públicos”, diz a nota.

“O assunto não comportava nenhum sigilo ou informação privilegiada, apenas a publicação do decreto que finaliza o longo processo de negociação entre o governo e o setor empresarial, como é comum e legítimo em uma democracia. E só foram atendidos os pleitos das empresas licitadas depois de 1993. Tudo antes disso, que era uma reivindicação de várias empresas, foi rejeitado”, completa a nota.

PRIVILÉGIO. A Rodrimar informou à reportagem que em seus 74 anos de história “nunca recebeu qualquer privilégio do Poder Público” e que seus executivos “estão, como sempre estiveram, à disposição das autoridades para qualquer esclarecimento que se fizer necessário”.

A defesa de Rocha Loures comunicou que só vai se manifestar depois de ser notificada oficialmente.

Tudo o que sabemos sobre:

operação Lava JatoMichel Temer

Tendências: