PGR investiga se delator da Lava Jato descumpriu acordo e voltou ao crime

PGR investiga se delator da Lava Jato descumpriu acordo e voltou ao crime

'Ceará' atuava na Lava Jato em parceria com o doleiro Alberto Youssef

Amanda Pupo/BRASÍLIA

05 Julho 2018 | 19h56

Sede da Procuradoria-Geral da República em Brasília. FOTO: ANDRE DUSEK/ESTADÃO

A Procuradoria-Geral da República decidiu apurar se um dos delatores da Lava Jato, conhecido como ‘Ceará’, descumpriu acordo de colaboração e voltou a cometer crimes após fechar delação com a procuradoria.

+ PF prende doleiro da Lava Jato e mais sete em operação contra lavagem do tráfico

Em manifestação ao Supremo Tribunal Federal, a PGR recorda que, entre as hipóteses de rescisão do acordo, fechado em junho de 2015, foi elencada a prática de qualquer ‘crime doloso pelo colaborador após a homologação judicial’.

+ Lava Jato apura ‘sistema financeiro da propina’ no Brasil

‘Ceará’ atuava na Lava Jato com o doleiro Alberto Youssef.

Em maio deste ano, ‘Ceará’ foi alvo de um decreto de prisão preventiva da 23.ª Vara Criminal Federal da Subseção Judiciária de Curitiba. Na ocasião, a Polícia Federal prendeu oito investigados da Operação Efeito Dominó, que apura lavagem de dinheiro do tráfico internacional de drogas.

+ Delator aponta ‘fluxo de propina’ no Palácio de Roseana

“No curso da investigação, foram identificados terminais utilizados por possíveis doleiros que manteriam relação com a organização, criminosa, logrando-se identificar áudios enviados por Carlos Alexandre em oito transações suspeitas, entre dezembro de 2016 e abril de 2017”, afirma a PGR no comunicado ao STF, assinado em 21 de junho e protocolado na Corte nesta quarta-feira, 4.

Caso a PGR peça a rescisão do acordo de colaboração, caberá ao ministro Edson Fachin analisar o pedido.

Em sua delação, ‘Ceará’ citou políticos como os senadores Renan Calheiros (MDB-AL), Randolfe Rodrigues (Rede-AP), Aécio Neves (PSDB-MG) e Fernando Collor (PTC-AL).

Nos casos de Aécio e Randolfe o STF arquivou os trechos de delação por ausência de indícios mínimos para o prosseguimentos das investigações.

A PGR já pediu ao ministro Fachin para homologar a rescisão do acordo de quatro colaboradores do grupo J&F.

Segundo a Procuradoria, Joesley Batista, Wesley Batista, Ricardo Saud e Francisco de Assis e Silva omitiram informações ao fechar a delação com a PGR. O ministro ainda não decidiu sobre esses pedidos.

Mais conteúdo sobre:

operação Lava JatoCeará