PGR diz ao Supremo que é contra indiciamento de Renan Calheiros pela PF por propina de R$ 1 milhão da Odebrecht

PGR diz ao Supremo que é contra indiciamento de Renan Calheiros pela PF por propina de R$ 1 milhão da Odebrecht

Subprocuradora-geral da República, Lindôra Araújo, disse que a competência para conduzir investigações que atingem autoridades com foro privilegiado, incluindo a promoção de seu indiciamento, é exclusiva da PGR

Rayssa Motta

27 de agosto de 2021 | 19h16

O senador Renan Calheiros (MDB-AL) defende investigação de orçamento secreto durante sessão da CPI da Covid

O senador Renan Calheiros (MDB-AL) é relator da CPI da Covid. Foto: Gabriela Biló/Estadão

A Procuradoria-Geral da República (PGR) disse ao Supremo Tribunal Federal (STF) que é contra o indiciamento do senador Renan Calheiros (MDB-AL) no inquérito aberto para apurar se ele recebeu propina de R$ 1 milhão da Odebrecht, como apontaram delatores da Lava Jato.

Em julho, a Polícia Federal concluiu a investigação e defendeu o indiciamento por corrupção passiva e lavagem de dinheiro. O delegado Vinicius Venturini apontou que o pagamento foi uma ‘contrapartida’ pelo apoio político à aprovação de uma resolução do Senado Federal que restringiu incentivos fiscais a produtos importados, beneficiando a Braskem, braço petroquímico do Grupo Odebrecht.

Em manifestação enviada ao tribunal, a subprocuradora-geral da República, Lindôra Araújo, disse que a competência para conduzir investigações que atingem autoridades com foro privilegiado, incluindo a promoção de seu indiciamento, é exclusiva da PGR.

“Assim, o ato de indiciamento em inquérito que apura suposta infração cometida por parlamentar federal realizado por autoridade policial é absolutamente nulo, com manifesta violação da competência exclusiva do Supremo Tribunal Federal”, diz um trecho do documento.

A subprocuradora também comunicou que vai pedir uma investigação para verificar se o delegado da PF cometeu crime de abuso de autoridade.

O senador nega irregularidades e diz ter sido vítima de uma ‘devassa’ sem que tenham sido encontrados indícios de crimes.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.