PGR, AGU e Moro vão a Instituto de Criminalística da PF em Brasília para assistir a vídeo de reunião ministerial

PGR, AGU e Moro vão a Instituto de Criminalística da PF em Brasília para assistir a vídeo de reunião ministerial

Procuradores designados pelo procurador-geral da República, Augusto Aras, integrantes da Advocacia-Geral da União e ex-ministro e seus advogados tiveram permissão do ministro Celso de Mello para acessar a íntegra da gravação da reunião na qual, segundo Moro, o presidente Jair Bolsonaro teria cobrado a substituição do diretor-geral da PF e do superintendente no Rio; logo após exibição será realizada perícia no material

Pepita Ortega e Fausto Macedo

12 de maio de 2020 | 08h22

Instituto de Criminalística da PF em Brasília. Foto: Apcf

A Polícia Federal exibe, às 8h desta terça, 12, no Instituto Nacional de Criminalística da corporação em Brasília, a restrito grupo de autoridades que tiveram permissão ministro Celso de Mello, a íntegra da gravação da reunião ministerial ocorrida no dia 22 de abril na qual, segundo o ex-ministro Sérgio Moro, o presidente Jair Bolsonaro teria cobrado a substituição do diretor-geral da PF e do superintendente no Rio.

Em ofício enviado ao ministro Celso de Mello, do Supremo Tribunal Federal, a Polícia Federal informou a designação da diligência ao procurador João Paulo Lordelo, que acompanha o caso pela Procuradoria-Geral da República, a advocada da União Izabel Vinchon Nogueira de Andrade e o ex-ministro Sérgio Moro e seus advogados, além do juiz federal auxiliar do gabinete de Celso, Hugo Sinvaldo Silva da Gama Filho.

Moro foi a Brasília para acompanhar a exibição junto de seus advogados. A PGR indicou que assistirão ao vídeo os procuradores que já acompanham o caso – João Paulo Lordelo Guimarães Tavares, Antonio Morimoto e Hebert Reis Mesquita.

A autorização para que o vídeo fosse exibido à PGR, à AGU e a Moro foi dada pelo decano no último sábado, 9. No despacho, o ministro indicou que a data de acesso seria designada pela presidente do inquérito, delegada Christiane Corrêa Machado, que mostraria o conteúdo integral do HD entregue pelo governo ao STF em ‘ato único’.

Nesta segunda, 11, Celso de Mello determinou, a pedido da PF, que uma equipe realize a perícia do vídeo logo após a exibição da gravação. O decano indicou que a AGU, a PGR e os advogados de Moro poderão apresentar, em até 24 horas, nomes para acompanharem os trabalhos dos agentes.

Celso de Mello cobrou, ainda, a degravação integral do HD externo apresentado pela União. Os arquivos deverão ser encaminhados ao seu chefe de gabinete, Miguel Piazzi.

“Essa determinação é por mim adotada pelo fato de – por não me encontrar em Brasília neste período de pandemia, em razão de compor grupo de risco, embora trabalhando, intensamente, à distância – necessitar, para efeito de conhecimento integral, ter acesso ao que se contém no HD externo em causa, em ordem a poder, então, com plena ciência dos elementos existentes em tais arquivos, decidir sobre a divulgação, total ou parcial, do que se passou na reunião ministerial de 22/04/2020, realizada no Palácio do Planalto”, afirmou o decano.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.