PGR abre consulta para reforçar forças-tarefa da Lava Jato e da Greenfield

AO VIVO

Eleições: 2020: notícias, resultados e apuração do 2° turno

PGR abre consulta para reforçar forças-tarefa da Lava Jato e da Greenfield

Imposição do teto de gastos e aumento do acervo de casos de corrupção motivaram Procuradoria a abrir edital para recrutar mais membros para as operações

Paulo Roberto Netto

25 de julho de 2020 | 07h00

A Procuradoria-Geral da República abriu consulta nesta sexta, 24, para selecionar procuradores que tenham interesse em colaborar com as forças-tarefa da Lava Jato no Paraná, Rio e São Paulo, e da Greenfield e Postalis, em Brasília. Os escolhidos deverão atuar sem exclusividade – ou seja, acumulando a função que já possuem com os trabalhos nas forças-tarefa.

Documento

O edital foi assinado pelo vice-procurador-geral Humberto Jacques de Medeiros. Entre as justificativas da medida estão o aumento do acervo de casos de corrupção, que cresceram desde 2014, e a imposição do teto de gastos, sancionado em 2016, que limitou o aumento de quadros na Procuradoria.

A PGR aponta ainda que já ultrapassam R$ 3,7 milhões as despesas acumuladas com o pagamento de gratificações a procuradores que acumulam funções, visto que os membros das forças-tarefa foram deslocados para atuar exclusivamente nos casos da Lava Jato e da Greenfield.

“Essa nova realidade constitucional impõe ao Ministério Público Federal uma nova racionalidade no enfrentamento de suas prioridades e na sua dispersão territorial”, apontou Medeiros.

Os procuradores escolhidos deverão receber aval dos membros das forças-tarefa. Procuradores regionais e subprocuradores-gerais deverão ter aprovação do Conselho Superior do Ministério Público Federal.

Sede da PGR. Foto: Antonio Augusto/Secom/PGR

A consulta ocorre em contexto de crise interna dentro da Procuradoria em relação à Lava Jato após Augusto Aras solicitar dados da operação, medida que gerou resistência entre os procuradores. Procuradores no Paraná acusaram a PGR de enviar a subprocuradora Lindôra Araújo, aliada de Aras, para uma ‘diligência’ na sede do Ministério Público Federal para recuperar os dados.

O caso chegou ao Supremo Tribunal Federal, e o ministro Dias Toffoli determinou o compartilhamento dos dados. A decisão foi tomada após a PGR alegar à Corte que a Lava Jato Paraná teria investigado os presidentes da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), quando ambos possuem foro privilegiado.

A gestão Aras também busca alternativas para o modelo de forças-tarefa como forma de garantir a impessoalidade nos trabalhos. Uma das propostas é a criação de uma Unidade Nacional Anticorrupção (Unac), que centralizaria as investigações. O projeto está em discussão no Conselho Superior do Ministério Público Federal e é bem visto pelo PGR.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.