PF vê viagem aos EUA ‘custeada’ por operador de propinas a Vaccarezza

PF vê viagem aos EUA ‘custeada’ por operador de propinas a Vaccarezza

Veja as trocas de e-mails que demonstram a intensa relação operador de propinas do PMDB ao ex-deputado federal Cândido Vaccarezza, preso nesta sexta-feira, 18, na Lava Jato

Luiz Vassallo

18 Agosto 2017 | 16h53

Em relatório da Operação Abate, desdobramento da Lava Jato, a Polícia Federal expôs e-mails entre o ex-líder dos Governos Lula e Dilma na Câmara, Cândido Vaccarezza (ex-PT/SP), e o operador de propinas do PMDB Jorge Luz. Para os investigadores, a troca de correspondências contém ‘indícios’ de que o lobista custeou viagem aos Estados Unidos ao ex-parlamentar.

+ ‘Meu querido Vaccarezza’

+ PF pega com Vaccarezza preso R$ 122 mil em dinheiro vivo

O ex-deputado foi preso em regime temporário por cinco dias nesta sexta-feira, 18, sob suspeita de que teria pego propina de US$ 500 mil oriundos de contratos da Petrobrás com a empresa americana Sargeant Marine – 12 contratos ao todo, entre 2010 e 2013, no valor de aproximadamente US$ 180 milhões. A empresa fazia fornecimento de asfalto para a estatal e foi citada na delação do ex-diretor de Abastecimento da companhia Paulo Roberto Costa.

Em delação, o ex-diretor da Petrobrás lobista afirmou que Jorge Luz teria intermediado o negócio e ganhou uma comissão.

+ Vaccarezza mentiu sobre negócios com operador de propinas do PMDB, diz PF

+ A decisão de Moro que põe Vaccarezza na prisão da Lava Jato

Segundo a Lava Jato, R$ 400 mil da comissão do lobista estariam acertados para abastecer o PT e Vaccarezza teria atuado pelo partido. Na casa do ex-parlamentar, foram apreendidos nesta sexta-feira, 18, R$ 122 mil em espécie, amarrados em bolos de notas de R$ 100 e R$ 50.

A Polícia Federal encontrou inclusive registros de visitas feitas ao ex-diretor da Petrobrás Paulo Roberto Costa por Luz e Vaccarezza e ressaltou que ele já mentiu, em depoimento ao Supremo Tribunal Federal, sobre sua relação com o operador de propinas.

Segundo os investigadores, ‘além dos correios eletrônicos funcionais, a quebra telemática de Cândido Vaccarezza [Autos nº 50472398720164047000], no caso o e-mail vaccarezza@gmail.com, também é elemento de corroboração das declarações de Paulo Roberto Costa, pois demonstra ligações próximas do então deputado federal com Jorge Luz e Bruno Luz, inclusive com viagens ao exterior em conjunto’. “Esse conjunto de e-mails, além de corroborar o envolvimento próximo dos investigados, é indício que JORGE LUZ custeou viagem aos Estados Unidos para o então Deputado Federal Cândido Vaccarezza e acompanhante”.

“Nos dias 27 e 28 de novembro de 2011, Cândido Vaccarezza troca e-mails de índole pessoal com Bruno Luz com o título: “Miami – lista bebe e lojas que compramos”. As conversas corroboram a ligação pessoal entre o operador e o então Deputado Federal”, sustenta a PF.

VEJA AS CONVERSAS ENTRE O EX-PARLAMENTAR E O OPERADOR DO PMDB: