PF usou Range Rover de ex-diretor da Petrobrás para prender André Vargas

Veículo de luxo pertenceu a Paulo Roberto Costa, delator da Operação Lava Jato

Redação

10 Abril 2015 | 16h17

Por Julia Affonso, Fausto Macedo e Ricardo Brandt, enviado especial a Curitiba

A Polícia Federal usou a Range Rover Evoque dada pelo doleiro Alberto Youssef ao ex-diretor de Abastecimento da Petrobrás Paulo Roberto Costa nas buscas e prisão realizada na manhã desta sexta-feira, 10, na casa do ex-deputado federal petista André Vargas (sem partido-PR), em Londrina (PR).

Polícia Federal deflagrou nova etapa da Lava Jato nesta sexta. Foto: PF

Agentes da Polícia Federal usaram carro de luxo de ex-diretor da Petrobrás na nova etapa da Lava Jato. Foto: PF

O veículo de luxo levou a Lava Jato a comprovar o elo de propinas entre Youssef e Costa no esquema de arrecadação de 1% nos contratos da Petrobrás controlado pelo PP.

Apreendido nas buscas realizadas em março do ano passado, quando Costa foi preso no Rio, o veículo, avaliado em mais de R$ 200 mil, foi destinado para uso da PF pela Justiça Federal. Apesar de ter sido comprado e pago por Youssef, o Evoque foi registrado em nome do ex-diretor.

André Vargas foi preso nesta sexta-feira, 10, em Londrina (PR) na 11ª etapa da Operação Lava Jato denominada “A Origem”, deflagrada nesta manhã. Também foram preso os ex-deputados Luiz Argôlo (SD-BA) e o ex-parlamentar já condenado no mensalão e atualmente cumprindo pena no regime semiaberto, Pedro Corrêa (PP-PE). As investigações desta etapa abrangem crimes que vão além da Petrobrás e envolvem até contratos de publicidade da Caixa Econômica Federal e do Ministério da Saúde.