PF suspende curso de formação profissional devido ao coronavírus

PF suspende curso de formação profissional devido ao coronavírus

Diretor de Gestão Pessoal da PF, Delano Cerqueira Bunn, afirma que curso para quase 600 vagas de delegado, perito, agente, escrivão e papiloscopista permanecerá suspenso 'enquanto perdurar o estado de emergência de saúde pública de importância internacional'

Fausto Macedo e Luiz Vassallo

14 de março de 2020 | 12h05

Em razão do coronavírus, a Polícia Federal decidiu, neste sábado, 14, suspender a matrícula e realização da segunda turma do Curso de Formação Profissional (CFP), referente ao concurso público para provimento de vagas nos cargos de Delegado de Polícia Federal, Perito Criminal Federal, Agente de Polícia Federal, Escrivão de Polícia Federal e Papiloscopista Policial Federal. O curso seria realizado em Brasília e formaria quase 600 policiais federais.

Presidente da Associação dos Delegados da Polícia Federal, Edvandir Paiva, fala sobre a suspensão dos Cursos de Formação de Delegados da Polícia Federal por causa da pandemia do coronavírus colocando a entidade:

O Brasil tem 98 casos confirmados que estão distribuídos por 12 Estados e o Distrito Federal, a maioria em São Paulo. Segundo o Ministério da Saúde, o País tem 1.485 casos suspeitos e 1.344 análises foram descartadas (Acompanhe a cobertura ao vivo aqui).

De acordo com o comunicado, assinado pelo diretor de Gestão Pessoal da PF, Delano Cerqueira Bunn, o curso permanecerá suspenso ‘enquanto perdurar o estado de emergência de saúde pública de importância internacional decorrente do coronavírus (COVID-19)’.

COM A PALAVRA, A FEDERAÇÃO NACIONAL DOS POLICIAIS FEDERAIS:

A pandemia de coronavírus fez com que a Polícia Federal suspendesse o início do curso de formação de novos servidores. As atividades, que estavam previstas para começar na próxima semana (no caso dos aprovados para as vagas de delegado) e daqui a quinze dias (no caso de peritos, agentes, escrivãos e papiloscopistas), ficam suspensas enquanto perdurar o estado de emergência internacional decorrente do Covid -19. O comunicado foi divulgado na manhã deste sábado (14).

A Federação Nacional dos Policiais Federais (Fenapef) lamenta, mas considera sensata a decisão do Departamento de Gestão de Pessoal. “Todas as escolas de Brasília suspenderam as atividades e não seria prudente que cerca de 600 pessoas, vindas de diversos estados do País, se reunissem agora em salas de aula e espaços acadêmicos”, explicou o presidente da Fenapef, Luis Antônio Boudens. “É uma questão de saúde pública, que estamos acompanhando desde o início, com o intuito de cuidar da saúde dos servidores da PF”, reforçou.

A contratação dos aprovados no último concurso foi uma batalha da Fenapef junto com os chamados “excedentes”, que considera absolutamente essenciais como novos colegas. A Federação compreende a ansiedade dos policiais federais que em breve se juntarão à corporação, mas acredita no bom senso de cada um para esperar a solução de um problema que é de força maior.

Sobre a Fenapef

Fundada em agosto de 1990, a Fenapef é a maior entidade representativa da Polícia Federal (PF), com mais de 14 mil filiados. Além de defender e representar os servidores da PF, a federação também atua como agente transformador nas políticas de segurança pública.

Dentre as principais áreas de atuação da Federação Nacional dos Policiais Federais, destacam-se a defesa irrestrita dos filiados e a luta por uma segurança pública moderna e eficiente.

Tudo o que sabemos sobre:

Polícia Federalcoronavírus

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.