PF suspeita que Duda Mendonça recebeu propina da Odebrecht

PF suspeita que Duda Mendonça recebeu propina da Odebrecht

Valores teriam saído do Setor de Operações Estruturadas e chegado ao marqueteiro por intermédio de José Eugênio Neto, diretor financeiro das empresas do publicitário

Julia Affonso, Ricardo Brandt, Mateus Coutinho e Fausto Macedo

30 de outubro de 2016 | 06h15

Duda Mendonça. Foto: Celso Junior/AE

Duda Mendonça. Foto: Celso Junior/AE

Atualizada em 31 de outubro, às 15h57

Relatório da Polícia Federal, na Operação Lava Jato, aponta que o empresário José Eugênio de Jesus Neto, diretor financeiro das empresas de Duda Mendonça, é suspeito de ter intermediado ‘dinheiro ilícito em espécie’ para o ex-marqueteiro do PT. A Lava Jato identificou duas entregas de valores operacionalizados pelo Setor de Operações Estuturadas, o departamento da propina da Odebrecht, a José Eugênio de Jesus Neto em um hotel, em São Paulo.

A PF não indica, neste relatório, o valor que teria sido intermediado por José Eugênio.

Duda Mendonça trabalhou na campanha presidencial de Lula em 2002.

Documento

O publicitário foi absolvido da acusação de crime de lavagem de dinheiro na Ação Penal 470 – o processo do Mensalão. Em 2012, o Supremo Tribunal Federal absolveu Duda. Os ministro concluíram que ele não teria como saber se era ilícita a origem de R$ 10,3 milhões que recebeu em 2002 na campanha de Lula ao Palácio do Planalto. Por sete votos a três, o marqueteiro foi absolvido do crime de lavagem e, por nove votos a um, do crime de evasão de divisas.

dudamendoncajoseeugenio

Segundo o relatório da Lava Jato, José Eugênio é ‘suspeito de ter recebido valores espúrios’. Em delação premiada, a secretária do alto escalão da empreiteira Maria Lúcia Tavares afirmou que o ‘departamento de propinas’ da Odebrecht era responsável por efetuar pagamentos de verbas desviadas de contratos da Odebrecht com a Petrobrás.

“Há indícios de recebimentos de valores supostamente ilegais, pelo sr. José Eugênio de Jesus Neto, num hotel situado em São Paulo. O suposto recebimento foi, em tese, operacionalizado pelo Setor de Operações Estruturadas da Odebrecht”, aponta o documento.

“O sr. José Eugênio é suspeito de ter sido apenas intermediário da transferência de dinheiro ilícito em espécie para José Eduardo Cavalcanti de Mendonça (Duda Mendonça), em razão do vínculo direto que possuía com ele e, sobretudo, pelo fato notório de que Odebrecht realizava pagamentos ilícitos com finalidade de financiamento eleitoral”, atesta o relatório da Polícia Federal.

“Duda Mendonça foi marqueteiro do PT (Partido dos Trabalhadores) foi acusado de ter recebido, pelos seus serviços, por meio de Offshores nas Bahamas.”

José Eugênio foi alvo de mandado de condução coercitiva na Operação Omertà, 35.ª fase da Lava Jato que pegou o ex-ministro Antonio Palocci (Fazenda/Casa Civil – Governos Lula e Dilma) em 26 de setembro.

O empresário estava ‘fora do País prestando seus serviços em Portugal e Polônia’, segundo sua defesa. Ele prestou depoimento em 21 de outubro na Superintendência da Polícia Federal em São Paulo.

A reportagem procurou a defesa de Duda Mendonça. O espaço está aberto para manifestação.

COM A PALAVRA, AROLDO CAMILLO FILHO, SÓCIO-FUNDADOR DO ESCRITÓRIO CAMILLO FILHO & IBAÑEZ ADVOGADOS, QUE DEFENDE JOSÉ EUGÊNIO DE JESUS NETO

Conforme esclarecido, inclusive no depoimento do José Eugênio junto à Polícia Federal de São Paulo no último dia 21, na época citada na investigação, ele era diretor financeiro da Duda Mendonça Agência de Propaganda.

Essa tinha sua sede na frente dos citados hotéis. Por vezes (e não foram poucas) o Sr. José Eugênio realizava reservas efetuando check in e check out tanto para o próprio Duda Mendonça que morava na Bahia como para alguns diretores de criação, clientes e etc.

Era ele ( José Eugênio) que pagava as contas do hotel em nome da empresa.

Era seu nome que aparecia nas reservas e o contato da agência com o hotel era o próprio José Eugênio.

Até nos dias atuais ele continua realizando os check in e check out tanto em Portugal como na Polônia onde ele é o responsável administrativos das Agências de Propaganda Duda Mendonça.

Vale esclarecer que a Duda Propaganda nunca realizou qualquer serviço de marketing político e que o Sr. Duda Mendonça é dono de diversos outros negócios, dentre eles, uma empresa de Marketing Político que nenhuma relação guarda com o Sr. José Eugênio.

O Sr. José Eugênio nunca recebeu qualquer valor em espécie, nem mesmo como pagamento de algum trabalho da Duda Mendonça Propaganda.

Ele nega qualquer relação com a empreiteira Odebrecht e repudia o envolvimento de seu nome em atos ilícitos. Continua à disposição para colaborar com as investigações.

Mais conteúdo sobre:

operação Lava JatoDuda Mendonça