PF propõe que Bolsonaro seja investigado no inquérito das milícias digitais por promover desinformação em live sobre urna eletrônica

PF propõe que Bolsonaro seja investigado no inquérito das milícias digitais por promover desinformação em live sobre urna eletrônica

Conclusões da delegada Denisse Dias Rosas foram enviadas ao STF em relatório sobre transmissão ao vivo realizada pelo presidente em julho; documento diz que Bolsonaro teve 'atuação direta e relevante' na disseminação de informações falsas sobre o sistema de votação

Rayssa Motta

16 de dezembro de 2021 | 21h29

A Polícia Federal concluiu que o presidente Jair Bolsonaro (PL) agiu deliberadamente para promover desinformação sobre o sistema eletrônico de votação.

Documento

A afirmação consta no relatório final do inquérito sobre a live realizada por Bolsonaro no dia 29 de julho, transmitida simultaneamente pelas redes sociais e pela TV Brasil, para questionar a segurança das urnas. O documento foi enviado ao Supremo Tribunal Federal (STF) pela delegada federal Denisse Dias Rosas.

“Este inquérito permitiu identificar atuação direta e relevante do Exmo. Sr. Presidente da República Jair Messias Bolsonaro na promoção da ação de desinformação”, diz um trecho do relatório.

O presidente Jair Bolsonaro durante live em que atacou urnas eletrônicas. Foto: Twitter/Reprodução

A PF sugere que o presidente seja investigado no inquérito das milícias digitais – o mesmo que pegou o blogueiro bolsonarista Allan dos Santos e o ex-deputado Roberto Jefferson (PTB). A delegada ainda propõe o envio do caso para a Controladoria-Geral da União e para o Ministério Público Federal.

Depois de ouvir os envolvidos na organização da live, incluindo o ministro da Justiça e Segurança Pública, Anderson Torres, o ministro da Secretaria-Geral da Presidência, Luiz Eduardo Ramos, e o diretor da Agência Brasileira de Inteligência (Abin), Alexandre Ramagem, a PF entendeu que o processo de preparação foi feito de ‘maneira enviesada’ para promover uma ‘teoria conspiratória’.

“Houve vontade livre e consciente dos envolvidos em promover, apoiar ou subsidiar o processo de construção da narrativa baseada em premissas falsas ou em dados descontextualizados”, aponta.

A Polícia Federal diz que o grupo investigado atua ‘com dolo, consciência e livre vontade’ na produção e na divulgação de ‘narrativas sabidamente não verídicas ou sem qualquer lastro concreto, com o propósito de promover mais adesão de apoiadores e outros difusores aos interesses dessa organização’.

“Restou caracterizado pelas narrativas das pessoas envolvidas que a chamada live presidencial foi um evento previamente estruturado com o escopo de defender uma teoria conspiratória que os participantes já sabiam inconsistente”, segue a PF.

Tudo o que sabemos sobre:

Jair Bolsonaro

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.