PF procura nove por fraudes bilionárias em pirâmide financeira de criptomoedas no Rio

PF procura nove por fraudes bilionárias em pirâmide financeira de criptomoedas no Rio

Operação Kryptos faz ainda buscas em 15 endereços nos Estados do Rio de Janeiro, São Paulo, Ceará e no Distrito Federal; investigação aponta que empresa sediada na região dos Lagos seria responsável pela operacionalização de um sistema de pirâmides financeiras vinculado à especulação no mercado de criptomoedas

Redação

25 de agosto de 2021 | 08h13

Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

A Polícia Federal do Rio deflagrou na manhã desta quarta-feira, 25, a Operação Kryptos contra suposta organização criminosa responsável por fraudes bilionárias envolvendo criptomoedas. A investigação mira uma empresa sediada na região dos Lagos apontada como responsável pela operacionalização de um sistema de pirâmides financeiras vinculado à especulação no mercado de criptomoedas.

De acordo com os investigadores, nos últimos seis anos, a movimentação financeira das empresas envolvidas nas fraudes apresentou cifras bilionárias, sendo que cerca de 50% de tais transações ocorreram nos últimos 12 meses.

Um efetivo de 120 agentes dá cumprimento a sete mandados de prisão preventiva e dois mandados de prisão temporária, além de fazer buscas em 15 endereços nos Estados do Rio de Janeiro, São Paulo, Ceará e no Distrito Federal. As ordens foram expedidas pela 3ª Vara Federal Criminal do Rio.

A investigação é conduzida em conjunto com o Ministério Público Federal e a Receita Federal.

De acordo com a PF, os investigados podem responder pelos crimes de gestão fraudulenta/temerária instituição financeira clandestina, emissão ilegal de valores mobiliários sem registro prévio, organização criminosa e lavagem de capitais – crimes cujas penas, somadas, podem chegar a 26 anos de reclusão.

A corporação indicou ainda que o nome da operação, Kryptos, faz referência ao termo grego que designa o ‘oculto’ ou o ‘escondido’ e que, por sua vez, deu origem ao termo cripto.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.