PF prende três por contrabando de uma tonelada de ouro de garimpos clandestinos do Norte do País para a Itália

PF prende três por contrabando de uma tonelada de ouro de garimpos clandestinos do Norte do País para a Itália

Operação Ruta 79 mobiliza 120 agentes federais que apreenderam nesta terça-feira 27, R$ 740 mil, dois quilos de ouro, sete de prata e diamantes; ao longo das investigações que culminaram na ofensiva, a PF apreendeu um total de 17 quilos de ouro e joias avaliadas em US$ 1 milhão

Redação

27 de julho de 2021 | 14h21

Atualizado às 18h45*

Operação Ruta 79. Foto: Polícia Federal

A Polícia Federal e a Receita deflagraram na manhã desta terça, 27, a Operação Ruta 79 para desarticular organização criminosa responsável pelo contrabando de ouro proveniente de garimpos ilegais do Norte do País. De acordo com a PF, estima-se que a quadrilha tenha contrabandeado mais de uma tonelada de ouro para a Itália entre 2017 a 2019.

Um efetivo de 120 policiais federais executa quatro mandados de prisão preventiva – três já cumpridos – e fazem buscas em endereços nas cidades do Rio de Janeiro, Angra dos Reis (RJ), São Paulo, São Jose do Rio Preto, Piracicaba, Mirassol (SP) e Belo Horizonte (MG).

Durante as diligências, a PF apreendeu R$ 740 mil e US$ 25 mil. Além disso, a corporação ainda encontrou dois quilos de ouro, sete de prata e diamantes. Também foram apreendidos computadores, smartphones, documentos diversos, armas e munições.

A ofensiva mira supostos crimes de organização criminosa, lavagem de dinheiro, contrabando, descaminho, receptação qualificada e usurpação de bens da União.

As investigações tiveram início após a prisão de um policial federal envolvido no esquema, diz a PF. De acordo com a corporação, servidor investigado era responsável pela passagem ilegal da área pública para a área restrita do aeroporto, viabilizando os crimes de contrabando e descaminho.

Durante as investigações foram apreendidos cerca de 17,778 kg de ouro e joias avaliadas em mais de US$ 1 milhão.

Apreensão de 17,778 kg, realizada ao longo das investigações, em Setembro de 2019, durante embarque para Itália. Foto: Polícia Federal

A PF aponta que os integrantes da quadrilha fazem uso de ‘mulas’ que transportam o ouro até a Itália usando documentação ideologicamente falsa de empresas fictícias sediadas no Paraguai. Em seguida, o grupo criminoso traz joias adquiridas na Ásia e EUA, também utilizando ‘mulas’ para introduzi-las de forma clandestina no Brasil, explicam ainda os investigadores.

De acordo com a corporação, o nome da ofensiva faz referência à rota do ouro – ruta em italiano. Já o número 79 está relacionado à posição do elemento químico ouro na tabela periódica.

Apreensão de 16,11 kg de joias realizada no curso da investigação em fevereiro de 2020, durante desembarque no Brasil vindo do Panamá. Foto: Polícia Federal

Operação Ruta 79. Foto: Polícia Federal

Operação Ruta 79. Foto: Polícia Federal

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.