PF prende três ex-funcionários do Hospital de Câncer de Jales (SP) por desvios de recursos

PF prende três ex-funcionários do Hospital de Câncer de Jales (SP) por desvios de recursos

Operação Corrente do Bem cumpriu mandados de prisão e busca e apreensão em Jales, Barretos e Campinas/SP

Paula Félix, Julia Affonso e Fausto Macedo

08 de novembro de 2016 | 10h01

Foto: PF

Foto: PF

A Polícia Federal deflagrou na manhã desta terça-feira, 8, a operação Corrente do Bem que investiga ex-funcionários do Hospital de Câncer de Barretos, unidade Jales/SP, por desvios de recursos da instituição. Três ex-funcionários foram presos em Jales, Barretos e Campinas/SP informa nota da Federal.

Três mandados de busca e apreensão, todos expedidos pela Justiça Estadual de Jales/SP, também foram cumpridos.

Foto: PF

Foto: PF

O ex-diretor administrativo da unidade do hospital em Jales/SP, R.M.D., de 33 anos, e outros dois ex-funcionários da administração, G.V.B., de 29 anos, e L.S.S, de 30 anos, são investigados por desvios de recursos do hospital em benefício próprio, mediante pagamentos suspeitos em supermercados, hotéis, oficinas mecânicas, lojas de pneus, postos de combustíveis, restaurantes, transporte de passageiros e cargas perigosas, entre outros. Segundo a PF, os três foram ‘demitidos anteriormente por justa causa’. Até o momento, estima-se o pagamento de aproximadamente R$ 700 mil em despesas suspeitas.

“Desde o início das investigações a PF teve o apoio da direção do Hospital de Câncer de Barretos/SP que realizou auditoria interna e forneceu informações que auxiliaram nas investigações. Há aproximadamente um mês, uma ação já havia sido feita na unidade do hospital em Jales, com a participação da direção do hospital de Barretos. Naquela ocasião, vários documentos foram apreendidos e os presos de hoje foram demitidos por justa causa”, informa nota da Federal.

A investigação foi batizada de Operação Corrente do Bem em alusão ao fato do Hospital de Câncer de Barretos ser mantido em grande parte com doações da sociedade, seja por comunidades que realizam doações, leilões ou por meio de organizações como a AVCC que formam uma verdadeira “corrente do bem” e a Polícia Federal, por meio desta operação, tem o objetivo de assegurar que essas doações e recursos arrecadados em nome do Hospital cheguem integralmente ao seu destino, qual seja, beneficiar os pacientes que enfrentam essa doença tão grave que é o câncer.

Qualquer indivíduo que desvia recursos obtidos com estas doações, desde a arrecadação em sua cidade até o seu destino, estará sujeito à responsabilização por sua conduta criminosa, além da reparação do prejuízo causado nos termos da lei. As investigações continuarão visando identificar outros indivíduos que desviaram recursos.

Os presos na data de hoje vão responder por estelionato e associação criminosa. Cinco veículos foram apreendidos, além de aproximadamente R$ 5 mil em espécie. Veículos e valores apreendidos poderão ser revertidos para a instituição hospitalar prejudicada a critério da justiça. Todos serão conduzidos para a sede da Polícia Federal em Jales/SP e posteriormente custodiados em presídios da região onde permanecerão à disposição da Justiça Estadual.

COM A PALAVRA, O HOSPITAL DO CÂNCER DE BARRETOS

COMUNICADO

Após coletiva de imprensa finalizada há pouco pela Polícia Federal, o Hospital de Câncer de Barretos informa que foi realizada na manhã de hoje (8/11/2016) uma ação batizada como ‘Corrente do Bem’ para investigar ex-funcionários da instituição da unidade de Jales, interior do Estado de São Paulo.
Os três ex-funcionários suspeitos de desvios de recursos já haviam sido demitidos por justa causa no mês de setembro, quando o hospital recebeu a primeira denúncia relacionada às irregularidades. Desde então, vem encaminhando todas as informações solicitadas à Polícia Federal e continua colaborando com as autoridades para o esclarecimento dos fatos.

O Hospital de Câncer de Barretos, como vítima e maior interessado na apuração do caso, agradece a operação policial que teve como objetivo assegurar que as doações e recursos arrecadados em nome do hospital cheguem integralmente ao seu destino, que é beneficiar os pacientes que enfrentam o tratamento contra o câncer. O fato comprova a seriedade e transparência da política de doações da instituição, que presta contas periodicamente à sociedade e que tem como missão promover a saúde através do atendimento médico hospitalar qualificado, de forma humanizada, por meio de valores como o respeito, a ética e a responsabilidade social.

Tudo o que sabemos sobre:

Operação Corrente do BemPolícia Federal

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.