PF prende por tráfico vigésimo refugiado

PF prende por tráfico vigésimo refugiado

Nigeriano de 30 anos, que ingressou no Brasil beneficiado pela Lei do Refúgio, foi flagrado em Cumbica com três quilos de cocaína

Redação

04 de junho de 2015 | 09h00

20150603_162350[1]

Foto: PF

Por Fausto Macedo e Julia Affonso

A Polícia Federal no Aeroporto Internacional de São Paulo/Guarulhos prendeu na tarde desta quarta-feira, 3, um nigeriano com cerca de 3 quilos de cocaína no fundo falso de uma mala. Quando os policiais levantaram as informações sobre o preso, identificaram que se trata de um imigrante que ingressou no Brasil beneficiado pela Lei do Refúgio. Ele pretendia embarcar com destino a Lagos, Nigéria.

Com mais essa prisão, somente em 2015 chega a 20 o total de solicitantes de refúgio presos por tráfico de drogas. Com eles foram apreendidos mais de 70 quilos de drogas. A Lei do Refúgio, de 1997, define que será reconhecido como refugiado todo aquele que, por exemplo, devido a ‘grave e generalizada violação de direitos humanos, é obrigado a deixar seu país de nacionalidade para buscar refúgio em outro país’.

20150603_162411[1]

Foto: PF

Desde aquele ano, centenas de estrangeiros pediram abrigo ao Brasil, amparados na Lei 9474/97. A prisão do nigeriano ocorreu durante uma ‘fiscalização de rotina’ dos policiais federais no Terminal de Passageiros 3 de Cumbica. Os agentes entrevistavam algumas pessoas e verificavam a documentação de viagem. O nigeriano, segundo a PF, “não apresentou respostas convincentes” e foi conduzido ao aparelho de raio-x para verificação do conteúdo de suas malas.

Em uma das malas foi identificada a existência de ‘substância orgânica’. O passageiro foi submetido a uma revista e as malas submetidas à análise através do espectrômetro de massa que acusou uma grande quantidade de partículas de cocaína. Na Delegacia da PF em Cumbica foram realizados os exames periciais e encontrados cerca de 3 quilos de cocaína oculta no fundo falso de uma das malas.

O nigeriano foi preso em flagrante por tráfico internacional de drogas.

Tudo o que sabemos sobre:

Polícia Federal

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: