PF prende peruana com US$ 120 mil ‘sob as vestes’ no aeroporto

PF prende peruana com US$ 120 mil ‘sob as vestes’ no aeroporto

Mulher de 38 anos foi flagrada no embarque para Lima; ela disse que o dinheiro é 'fruto da venda de um terreno em seu país' e que pretendia comprar um imóvel comercial em São Paulo, mas por causa do alto preço desistiu do negócio

Redação

06 de fevereiro de 2019 | 13h41

Foto: PF

A Polícia Federal prendeu no Aeroporto Internacional de São Paulo (Guarulhos/Cumbica) uma passageira peruana, com mais de US$ 120 mil em ‘diversos pacotes sob as vestes’. Ela foi flagrada nesta terça, 5, quando embarcava para Lima.

A mulher, de 38 anos de idade, foi conduzida a uma sala reservada da Delegacia da PF no aeroporto onde passou por busca pessoal e revista das bagagens.

Dentro de pacotes fixados ao corpo e em sua bagagem de mão os federais encontraram o dinheiro que ela não declarou à Receita.

Foto: PF

Detida, a mulher disse aos policiais que o dinheiro era ‘fruto da venda de um terreno em seu país’.
A peruana contou que ingressou no Brasil, também sem declarar os valores, para adquirir um imóvel comercial, mas, ‘devido ao alto preço’, desistiu do negócio.

A mulher foi indiciada na Lei do Colarinho Branco.

Em uma ação distinta, policiais federais prenderam um cidadão português com passaporte falso.
Agentes federais que fiscalizam os passageiros que passam pelo controle migratório identificaram ‘indícios de adulteração’ no passaporte angolano apresentado pelo passageiro que desembarcou de voo procedente de Portugal na manhã de terça, 5.

Ele foi conduzido à delegacia onde os peritos federais confirmaram a adulteração do documento.
Com o passageiro, que é médico veterinário, foi encontrado o seu documento verdadeiro, um passaporte português.

Após receber voz de prisão pelo uso de documento falso, o homem, de 59 anos de idade, disse aos policiais que apresentou o passaporte falsificado ‘com a intenção de se desvencilhar da multa que lhe seria aplicada, pois, em sua última visita ao país, havia permanecido por tempo muito superior ao autorizado’.

Mais conteúdo sobre:

Polícia Federal