PF prende mais sete em investigação sobre terror em Araçatuba

PF prende mais sete em investigação sobre terror em Araçatuba

Um efetivo de mais de 100 agentes executa ainda 24 mandados de busca e apreensão em São Paulo, Campinas, Águas de Santa Bárbara, Mairiporã, Osasco, Guarulhos, Cotia, Itapecerica Da Serra e Itapevi

Pepita Ortega e Fausto Macedo

14 de outubro de 2021 | 09h49

Amarrados em carros, reféns foram feitos de ‘escudo humano’ para impedir ataques da polícia contra os criminosos durante mega-assalto em Araçatuba Foto: Reprodução/Twitter

A Polícia Federal deflagrou na manhã desta quinta-feira, 14, uma operação para cumprir oito mandados de prisão temporária no âmbito da investigação sobre o ataque de criminosos fortemente armados a agências bancárias de Araçatuba, no interior de São Paulo.

De acordo com a corporação, até às 9h, sete investigados já haviam sido detidos. As diligências continuam sendo realizadas para a localização do oitavo indivíduo, diz a PF.

Um efetivo de mais de 100 agentes executa ainda 24 mandados de busca e apreensão em São Paulo (6), Campinas (1), Águas de Santa Bárbara (1), Mairiporã (3), Osasco (3), Guarulhos (5), Cotia (2), Itapecerica Da Serra (1) e Itapevi (2).

A ofensiva conta com o auxílio da Polícia Militar em São Paulo e com o apoio do Batalhão de Ações Especiais da Polícia Militar – BAEP em Campinas.

De acordo com a PF, as investigações levaram à ‘reunião de novos elementos de convicção, inclusive com a identificação de novos integrantes da organização criminosa que atuou no roubo em Araçatuba’.

A nova fase da operação que sufoca o grupo de assaltantes que levaram o medo a Araçatuba é uma das principais metas do superintendente regional da PF em São Paulo, delegado Rodrigo Bartolamei, e de seu braço direito, delegado Márcio Magno de Carvalho, na guerra contra o crime organizado.

Desde que assumiu o comando dos federais no Estado, há seis meses, Bartolamei tem insistido com seus pares sobre a necessidade de sufocar organizações violentas. Sua orientação aos policiais é, além de tirar os criminosos das ruas, confiscar ativos de seus líderes.

A corporação indica que já cumpriu 51 mandados de buscas e apreensão e prendeu 15 pessoas no âmbito das apurações sobre o roubo em Araçatuba.

Os ataques investigados aconteceram no dia 30 de agosto, quando ao menos 20 homens invadiram a cidade do interior paulista, incendiaram veículos e explodiram duas agências bancárias, atacando uma terceira. Os criminosos aterrorizaram a população espalhando 100 quilos de explosivos pelas ruas. O valor roubado dos bancos não foi divulgado.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.