PF prende cinco em operação contra fraudes no sistema do Ibama para beneficiar fazendeiros na Amazônia

PF prende cinco em operação contra fraudes no sistema do Ibama para beneficiar fazendeiros na Amazônia

Grupo é suspeito de usar certificados digitais de servidores do Instituto, obtidos de maneira fraudulenta, para extinguir interdições a propriedades localizadas em áreas embargadas no Pará e Mato Grosso

Redação

15 de setembro de 2020 | 17h10

A Polícia Federal prendeu nesta terça-feira, 15, cinco pessoas apontadas como estelionatários que teriam usado dados de servidores do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Ambientais (Ibama) para fazer alterações indevidas nos sistemas do órgão e beneficiar fazendeiros. O prejuízo causado aos cofres públicos é estimado em R$ 150 milhões.

De acordo com os investigadores, o grupo usava certificados digitais (tokens) de fiscais e gestores do Instituto, obtidos de maneira fraudulenta, para extinguir interdições a fazendas localizadas em áreas embargadas da Amazônia Legal nos estados do Pará e de Mato Grosso.

Reprodução / Polícia Federal

Na ação de hoje, batizada de Operação Tokens, além das prisões, os agentes cumpriram 48 mandados de busca e apreensão em Goiás, Tocantins, Minas Gerais, Mato Grosso, Pará, Paraná, Rio Grande do Sul, São Paulo e no Distrito Federal. Entre os alvos de busca, está uma propriedade do ex-deputado federal e presidente da Federação das Indústrias do Estado de Goiás, Sandro Mabel (MDB).

“Foram constatados 122 desembargos irregulares em nome 54 pessoas físicas ou jurídicas, com potencial prejuízo para a União da ordem de R$150 milhões, em multas não recolhidas e descumprimento de embargos em áreas ambientais sensíveis da Amazônia legal”, informou a PF.

O inquérito foi instaurado a partir da identificação, pelo Ibama, da fraudes contra diversos de seus superintendentes, agentes e fiscais, com o uso de tokens expedidos indevidamente por falsificadores. Para chegar aos estelionatários, houve colaboração de informações de inteligência entre o Ibama e PF que permitiu, segundo os investigadores, identificar os supostos nomes de beneficiários, servidores públicos e fraudadores envolvidos no esquema.

Reprodução / Polícia Federal

COM A PALAVRA, SANDRO MABEL
A reportagem entrou em contato com o empresário através da Federação das Indústrias do Estado de Goiás. O espaço está aberto para manifestações.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: