PF prende 2 por fraudes em 9 mil seguros-desemprego

PF prende 2 por fraudes em 9 mil seguros-desemprego

Investigadores afirmam ter identificado 300 empresas fictícias que possibilitaram os benefícios fraudulentos; mais de R$ 9 milhões já foram sacados

Luiz Vassallo, Julia Affonso e Fausto Macedo

21 de setembro de 2018 | 07h41

Foto: PF

Dois investigados foram presos em flagrante nesta quinta-feira, 20, no âmbito da Operação Mendacium, deflagrada pela Polícia Federal, que mira supostas fraudes ao seguro-desemprego. Segundo a PF, os suspeitos foram detidos em um escritório de contabilidade no bairro da Penha por possuírem consigo mais de 1.600 documentos falsos ou em branco, como espelhos de RG e Carteiras de Trabalho. Supostos esquemas teriam gerado saques de R$ 9 milhões em benefícios fraudulentos.

Fraude bloqueia seguro-desemprego de quase 9 mil trabalhadores em 5 meses

A ação contou com o apoio do Ministério do Trabalho e da Caixa Econômica Federal.

‘Motoristas: temos a solução’, anuncia ‘Dr. Percy-multas’, novo vice do Detran/SP

“O inquérito policial iniciou-se em Presidente Prudente/SP em outubro de 2017, quando um trabalhador desempregado procurou a PF para relatar que não havia conseguido retirar seu seguro-desemprego porque alguém já o havia recebido. Ao longo das investigações, verificou-se que o grupo agia majoritariamente na cidade de São Paulo. Cerca de 300 empresas fictícias foram criadas pelos investigados para possibilitar o recebimento de mais de 9.000 benefícios de seguro-desemprego fraudulentos. Segundo os autos, mais de R$ 9 milhões já foram sacados”, afirma a Polícia Federal, por meio de nota.

Juiz diz ser ‘imprescindíveis’ depoimentos de Temer, Moreira e Padilha no processo do ‘Quadrilhão do MDB’

Foto: PF

De acordo com a PF, em um ‘escritório em São Paulo, no bairro de Penha de França, duas pessoas foram presas em flagrante. No local foram apreendidos, entre outros materiais, 800 carteiras de trabalho em branco, 800 espelhos de RG de diferentes estados do Brasil, também em branco, que seriam preenchidos pelo grupo criminoso’.

‘Ato típico de preservação de direitos humanos’, diz desembargador sobre ação da PM Kátia

“Também foram apreendidos R$ 472 mil em espécie, apetrechos para falsificação de documentos e documentos falsos já preenchidos”, diz a corporação.

Foto: PF

A Polícia Federal afirma que vai voltar os trabalhos ‘para identificar os beneficiários dos benefícios, seu envolvimento com o grupo investigado e também a origem dos documentos apreendidos, se são verdadeiros – desviados de instituições legítimas, ou falsos’.

Supremo mantém ordem à Caixa para correção monetária de saldos do FGTS

“Os presos foram encaminhados ao sistema prisional estadual, onde permanecerão à disposição da Justiça Federal. Eles responderão pelos crimes de estelionato, organização criminosa e corrupção ativa”, relata a PF, por meio de nota.

Mais conteúdo sobre:

Polícia Federalseguro-desemprego