PF prende 3 delegados da PF na Operação Inversão

PF prende 3 delegados da PF na Operação Inversão

Inquérito aberto em agosto de 2015 aponta que, após investigação para apurar crimes previdenciários, policiais federais teriam solicitado propina 'para deixar de agir em desfavor de determinadas pessoas'

Julia Affonso e Fausto Macedo

14 de julho de 2016 | 16h44

Federais pedem em documento uma nova estrutura organizacional para a corporação. FOTO: ANTÔNIO MORE/AG. DE NOTÍCIAS GAZETA DO POVO

FOTO: ANTÔNIO MORE/AG. DE NOTÍCIAS GAZETA DO POVO

Habituada a prender empresários, doleiros e servidores públicos de vários órgãos públicos por corrupção e fraudes, a Polícia Federal agiu dentro de sua própria casa nesta quinta-feira, 14, ao deflagrar a Operação Inversão que culminou com a prisão de dois delegados da corporação por suspeita de envolvimento em um esquema de propinas na área previdenciária.

Foram presos os delegados da PF Ulisses Francisco Vieira Mendes, ex-chefe da Deleprev, hoje aposentado, Rodrigo Cláudio de Gouvea Leão e Carlos Bastos Valbão, da mesma delegacia.

A Inversão cumpriu 23 mandados de busca e apreensão, 4 de condução coercitiva e 13 de prisão preventiva, todos na capital paulista e na Grande São Paulo.

A pedido da PF, um quarto policial foi afastado preventivamente de suas atividades por ordem da 9.ª Vara Criminal Federal de São Paulo.

O inquérito foi aberto em agosto de 2015. De acordo com a Federal, a corporação foi informada que, após investigação para apurar crimes previdenciários, policiais federais teriam solicitado propina ‘para deixar de agir em desfavor de determinadas pessoas’.

A PF informou que os investigados serão indiciados e responderão, na medida de suas participações, pelos crimes de corrupção ativa e corrupção passiva. Os presos estão na sede da PF em São Paulo, onde permanecerão à disposição da Justiça.

Tudo o que sabemos sobre:

Operação InversãoPolícia Federal

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.