PF prende 12 do tráfico internacional que usava barcos de pesca e mergulhadores para remessa de cocaína até porto da Holanda

PF prende 12 do tráfico internacional que usava barcos de pesca e mergulhadores para remessa de cocaína até porto da Holanda

Operação Tamoios também cumpre 15 mandados de busca e apreensão no Rio de Janeiro e Espírito Santo para investigar suposta organização criminosa que utiliza 'logística portuária de pequenas embarcações pesqueiras e mergulhadores profissionais' para traficar drogas

Redação

24 de agosto de 2021 | 09h10

Apreensão realizada durante as investigações que culminaram na Operação Tamoios. Foto: Polícia Federal

A Polícia Federal deflagrou na manhã desta terça-feira, 24, a Operação Tamoios e prendeu 12 alvos de uma investigação contra suposta organização criminosa que utiliza ‘logística portuária de pequenas embarcações pesqueiras e mergulhadores profissionais’ para traficar drogas, enviando os entorpecentes para a Holanda.

Um efetivo de 60 policiais cumpre ainda 15 mandados de busca e apreensão no Rio de Janeiro e Espírito Santo. As ordens foram expedidas pela 3ª Vara Federal Criminal do Rio.

De acordo com a PF, as investigações que culminaram na ‘Tamoios’ durou cerca de dois anos e contou com o apoio da Capitania dos Portos do Rio de Janeiro e do Espírito Santo. Durante o período, os investigadores apreenderam mais de 200 quilos de cloridrato de cocaína, 14 veículos de luxo e seis imóveis de alto padrão nos municípios do Rio de Janeiro (RJ), Mangaratiba (RJ) e Guarapari (ES), além de R$ 827 mil em espécie

Os investigadores apontam que os alvos da ofensiva, ‘usando o subterfúgio da pesca artesanal e do mergulho, realizam de forma organizada o transporte de grandes carregamentos de cloridrato de cocaína para o Porto de Rotterdam, na Holanda’.

Ainda de acordo com a corporação, a maioria dos integrantes da organização criminosa, que operavam em conjunto com organizações transnacionais, são do Rio de Janeiro e transportavam a droga até Espírito Santo de onde embarcavam para a Europa.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.