PF põe Operação Ojuara contra desmatamentos, lavagem de dinheiro e corrupção na floresta

PF põe Operação Ojuara contra desmatamentos, lavagem de dinheiro e corrupção na floresta

Força-tarefa desmonta esquema de pecuaristas que contratavam PMs para proteger áreas de desmatamento na região Sul do Amazonas e de servidores do Ibama que recebiam propinas para deixar de lavrar autos de infração; efetivo de 180 policiais cumpre 54 mandados no Acre, Amazonas e também em Minas

Pepita Ortega

08 de maio de 2019 | 11h27

Floresta Amazônica. Foto: Herton Escobar / Estadão

A Polícia Federal deflagrou nesta quarta, 8, a Operação Ojuara, para desarticular uma organização criminosa envolvida em desmatamentos no sul do Amazonas, lavagem de dinheiro e corrupção. Os crimes teriam sido praticados por servidores do Ibama no Acre, policiais militares lotados na cidade de Boca do Acre (AM) e por pecuaristas da região.

Mais de 180 policiais cumprem 18 mandados de prisão, 36 de busca e apreensão no Acre, Amazonas e Minas. As ações contam com cooperação do Ministério Público Federal e apoio de tropas do Exército.

Segundo as investigações, os servidores do Ibama, liderados pelo ex-superintendente regional do órgão na época, recebiam propinas para deixar de lavrar autos de infração por desmatamentos, multar ‘laranjas’ em vez de responsáveis por crimes ambientais, repassar informações privilegiadas sobre fiscalizações ambientais e deixar de apreender maquinário utilizado para desmatamentos da Floresta Amazônica.

De acordo com a PF, alguns pecuaristas, que invadiam terras da União, contratavam policiais militares para proteger as máquinas e as áreas de desmatamento. Os agentes também expulsavam e ameaçavam moradores locais.

A investigação identificou ainda uma tentativa de homicídio praticada contra um pequeno produtor rural durante a atuação de grilagem de terra e desmatamento de uma área.

Ao longo dos últimos anos, os investigados foram alvo de 169 autos de infração lavrados pelo Ibama, somando aproximadamente R$ 147 milhões em aplicação de multas.

As ações dos agentes cobriam 86 mil hectares, a área equivalente à duas vezes a área urbana da cidade de Rio Branco.

Ojuara

Segundo a Polícia Federal, o nome da operação, Ojuara, faz referência a um livro e a um filme brasileiro. As produções narram a história de um ‘personagem que teria desafiado o Diabo – fazendo referência ao codinome de um dos investigados’.

Mais conteúdo sobre:

Amazonas [estado]Polícia Federal